quinta-feira, abril 01, 2010

Cinema Português em 2010

Texto despoletado pelo programa Radar de Negócios de 2010.03.21, referenciado no CG Luso, a respeito da "Indústria de Cinema Portuguesa". O programa pode ser visto na integra aqui.

Sempre defendi o Cinema Português, por essa razão fui um dos responsáveis pela reactivação do festival Caminhos do Cinema Português em Coimbra em 1997, que estava parado há mais de 10 anos. O único festival inteiramente dedicado ao cinema português e que vai agora para a sua XVII edição, um festival que vai ganhando o seu espaço e criando espaço para o nosso cinema.

Um dos maiores problemas do cinema português tem sido desde sempre a falta de capacidade técnica, havendo claramente excepções em todo a história do nosso cinema. Mas durante anos tivemos incapacidade de desenvolver som directo de qualidade, e por isso este era depois ultrapassado com dobragens de som de qualidade muito medíocre. Depois as performances dos actores que se mantiveram até aos anos 90 coladas a lógicas de trabalho teatral, tão distantes da actividade de performance em cinema. A cinematografia foi outro calcanhar, raramente se viu filme nacional em que houvesse uma real preocupação com a técnica fotográfica. Para não falar de guionismo, ou tratamento visual dado aos textos, tão pobre de tão dependente do diálogo. Mas muito disto começou a mudar nos finais dos anos 90 com o aparecimento da televisão privada e de forma mais clara ainda com o aparecimento da indústria audiovisual publicitária nacional.

Quanto a ter cinema português no circuito internacional, é preciso primeiro entender a distribuição internacional, não apenas economicista mas também cultural. Do lado económico é impossível combater pesos pesados de Hollywood quando 1/3 da sua fatia vai para comercialização e distribuição, falamos de várias vezes o valor que custa toda a produção de um filme em Portugal. Depois a questão cultural, o cinema americano não é visto em todo o mundo apenas por razões comerciais, mas é-o pelo seu apelo cultural, os temas que trata e a forma como os trata ou seja, os temas são universais e estes são sempre tratados recorrendo a uma palete de emoções a estimular no espectador o mais universais (ou básicas) possíveis. A exemplo disso repare-se em Avatar (2009) e veja-se onde está o apelo do filme ao nível narrativo, na relação amorosa entre dois seres diferentes, a componente ecológica surge como adorno no momento actual da preocupação com o planeta. O mesmo tinha sido feito com The Day After Tomorrow (2004) em que o essencial rodava à volta de um pai em busca do filho e não das condições climatéricas.

Quanto à dimensão, tem muito que se lhe diga, a verdade está aí à nossa frente, os filmes do António Pedro Vasconcelos começam a pagar-se a si próprios (não sei se é contabilizado o financiamento do estado nesta equação). Já agora não fica muito bem ao António Pedro Vasconcelos dizer não existem filmes Portugueses citados em listas de 1000 ou 5000 filmes a ver, isso não é verdade de todo. Basta olhar para as listagens dos melhores filmes da década 2000-2009 em várias das revistas mais importantes de cinema dos EUA e Europa para ver como não o é.

Sobre tudo isto Orson Welles disse,
Fazer cinema é 98% do tempo à procura de financiamento e 2% do tempo a fazer filmes.
O cinema é uma arte demasiadamente cara para poder estar ao serviço de determinados caprichos pessoais, é antes de tudo o mais uma arte colectiva. E não esqueçamos que a arte foi e é antes de mais fruto de quem Encomenda, não de quem a Faz. A ideia de que o autor é o visionário e pode fazer tudo o que quer é um romantismo com pouco mais de 200 anos só aplicável à literatura e à pintura em pequena escala. Miguel Ângelo não fez o que quis na Capela Sistina, Leonardo DaVinci respondia perante os seus mecenas, etc., etc.

Contudo as revoluções tecnológicas trouxeram o cinema para novos patamares de possibilidades. Vejam-se casos como 405, World Builder, ou Ataque de Panico!. E já agora porque não pesquisar no YouTube os milhares de trabalhos que vão sendo feitos por esse mundo fora, com 1, 2 ou 3 pessoas. Tudo depende de cada um de nós, da nossa criatividade, que depende do nosso investimento, que depende do nosso entusiasmo, que depende da nossa motivação...
Enviar um comentário