quinta-feira, setembro 29, 2011

Sims Social no Facebook

A propósito do lançamento do The Sims Social em Agosto no Facebook a revista Época, editada pela Globo no Brasil, fez-me uma entrevista por e-mail e publicou um pequeno artigo com os meus comentários. Como sempre estes artigos são muito curtos e usam apenas metade daquilo que realmente dizemos, por isso aproveito para deixar aqui o que disse sobre o assunto na altura.


1 - O The Sims Social criou uma nova forma de interação no facebook, por meio de um avatar. Você acredita que isso seja uma tendência nas redes sociais?    

Sim sem dúvida. Os chamados jogos sociais ou jogos de redes sociais, tinham pouco de social até agora. A sociabilidade limitava-se a uma interação meramente material, ainda que feita de bens virtuais (falei disto aqui). The Sims Social parece apontar num novo caminho, e claramente que poderá abrir uma nova tendência nos jogos sociais.
Ainda andamos todos a tentar perceber como podemos potenciar toda a energia social presente nas redes, Sims Social não é totalmente inovador, porque o que faz é replicar a estratégia de jogo de The Sims. Ou seja criar um avatar, dar-lhe alguma autonomia, e colocá-lo à disposição do jogador. Enquanto jogador podemos controlar o avatar, mas este possui alguma liberdade de ação, aquilo que em The Sims designamos de "livre-arbítrio" dos avatares.
A inovação face a The Sims, é a ligação umbilical à nossa identidade projectada na rede social, e isso é diferente de tudo o que tínhamos até agora. Porque no antigo jogo de Sims Online podíamos criar uma identidade para o nosso avatar sem revelar quem éramos. Agora estamos condicionados pela ligação à nossa identidade no Facebook.
No futuro veremos mais jogos fazer uso deste conceito, e mesmo indo além disto. O objetivo é aumentar a ligação entre os jogadores, criar laços mais fortes, e isso faz-se pelo lado dos sentimentos, não da coisa material.


2 - O conceito do The Sims Social lembra o do Second Life, que acabou não dando certo e caindo no esquecimento. Você acredita que o The Sims possa ter o mesmo destino do Second Life? O que diferencia um do outro?

São diferentes. Em Second Life o nosso avatar é 100% controlado por nós, não tem qualquer autonomia. Mas mais do que isso, o nosso avatar em Second Life não é relacionável. Ou seja se eu não revelar quem sou, as pessoas não saberão qual a relação daquele avatar com o seu utilizador real. Aqui as coisas são diferentes porque o meu avatar é relacionável com a minha persona dentro do Facebook, e de seguida com a minha identidade real, uma vez que o Facebook a isso obriga.
Em Second Life o interesse inicial foi pela novidade, hoje Second Life ainda se mantém ativo, mas mais pelas pessoas que o usam como uma rede de comunicação. Um dos problemas de manutenção do interesse das pessoas em Second Life sempre foi a ausência de objectivos ou regras, ou seja de uma lógica de jogo. Deste modo o que aconteceu foi passar para uma lógica de mediador de comunicação com uma interface 3d. Isto não quer dizer que o Second Life acabou, muito pelo contrário, as pessoas que o usam amadureceram. Existem diferentes grupos, os que usam para comunicação mediada, os que usam para construção de ambientes tridimensionais, e os que investigam novas tecnologias e novos formatos sociais.
Quanto ao futuro do The Sims Social é difícil prever, mas tem tudo para dar certo. À semelhança de Second Life permite criar uma máscara (avatar) e com isso interagir mais facilmente com os outros. O que é muito interessante em Sims Social, que é jogado dentro de uma rede social, é que estamos a criar uma máscara dupla. Ou seja a nossa presença na rede social, é já em si uma máscara, se bem que mais real do que aquilo que existia antigamente nas redes, no tempo em que usávamos nicknames, porque o Facebook nos obriga a usar o nome real e os dados reais. Ainda assim construímos sempre toda uma identidade dentro do Facebook que é diferente da identidade que as pessoas veem no mundo real. Ora em Sims Social o que acontece é a reconstrução dessa identidade. Mas isto já foi explicado pelo Goffman, quando nos disse que em cada situação atuamos conforme o exigido. Ou seja temos uma capacidade inata para desempenhar múltiplos papéis, para executar performances sociais.


Deste modo o que vai acontecer é que enquanto utilizadores de redes sociais, vamos passar a ter dois papeis, a nossa persona no Facebook e a nossa persona em Sims Social. Mas estas personas estarão umbilicalmente ligadas, porque quem está do outro lado conhece ambas as personas, uma vez que o jogo fomenta essa relação. Por isso um comportamento tido em Sims Social, pode ter impactos na persona do Facebook mas mais interessante é que pode e ir além disso, ter impactos nas relações reais entre as pessoas que se conhecem fisicamente.
Diria que estamos perante um jogo que finalmente faz uso da componente social em profundidade, afetando verdadeiramente os laços da sociabilidade, para o bem ou para o mal dos mesmos. 
Enviar um comentário