quinta-feira, julho 22, 2010

Cinematografia por Fernando Martins

O meu post sobre a eleição das melhores cinematografias da década 1998-2008 gerou alguns comentários e discussões de e-mail muito interessantes a propósito do meu comentário sobre o segundo classificado da lista, Children of Men (2006), ver trailer abaixo.


Como tal e tendo pedido autorização ao autor, transcrevo aqui parte do que foi dito entre comentários e e-mail pelo Fernando Martins (aka VirtualFM) que me parece interessante e relevante para tudo o que venho colocando e discutindo neste blog.

Quero no entanto alertar para quem ainda não viu o filme e o pretenda ver que o texto que se segue contém spoilers (divulgação de factos centrais da narrativa) tanto em forma de texto como nos vídeos e imagens apresentadas.

----------------------------------------------------------------------------------


Cinematografia de Children of Men
, Fernando Martins

"Cinematografia" não se refere apenas a lentes, cores, profundidade de campo e outras coisas que mais se confundem com "Fotografia", mas sendo de Cinema que se trata (e por isso se chamar "Cinematografia" e não "Fotografia") tem de ser ter em consideração, e muita, a movimentação de câmara e a forma como os acontecimentos se vão desenrolando na tela, criando emoções no espectador, sejam elas suspense, surpresa, medo ou alegria.

O "Children of Men" ficou-me gravado na memória precisamente devido a umas quantas cenas ÚNICAS, sendo a maior parte delas gravadas numa única sequência sem cortes. Há pelo menos 4 assim, e uma delas demora à volta de 7 minutos, que inclui entrar e sair de veículos e de edifícios, com tiros, explosões e muita acção a decorrer [ver cena completa no YouTube]. Segundo consta, para se filmar esta sequência foram necessários 14 dias de preparação e ensaios, e cada vez que se tentava re-filmar a cena demorava 5 horas de preparativos. Essa foi a que, na altura em que estava a ver o filme, me chamou mais a atenção porque se “sentia” que se estava a fazer parte da acção, como se fosse um documentário e seguíssemos os protagonista em todos os seus passos, sem cortes.

Mas houve outra sequência marcante: uma emboscada a um carro no meio da floresta. Essa sequência, que todos diziam ser impossível de realizar mas que Cuarón insistiu até que lhe arranjassem uma solução. Implicou uma estrutura especial que permitia meter a câmara dentro do carro e ao mesmo tempo roda-la para dentro e para fora (havia tão pouco espaço que os actores tinham de entrar e sair do personagem que representavam naquele curto espaço de tempo, pois quando não estavam a ser filmados tinham de se baixar para deixar passar a câmara).

Imagem do texto Children of Men - Hard Core Seamless vfx da fxguide

A cena é espectacular (além de visceralmente violenta e ser um choque brutal, pois é uma surpresa completa) e filmada desta forma só lhe aumenta a espectacularidade, pois nunca se “sai” da acção [ver cena completa no YouTube]. Há quem considere esta cena como a coisa mais incrível e difícil que já viram em toda a história do Cinema. E se bem que não seja detentor da “sequência mais longa”, é certamente das mais complexas (muito mais que a famosa cena de “Atonement”, por exemplo), senão a mais complexa até agora!

Depois a cena do parto tem também mais de 3 minutos de duração e é uma cena mágica, não só pelo simbolismo e por ser o clímax do filme mas também por estar tão bem executada que no final me doíam os maxilares por ter ficado com a boca tão aberta durante tanto tempo! E se bem que algumas destas cenas tenham tido fortes doses de efeitos por computador, estes não se vêem, e só se sabe que o são porque é impossível ser de outra forma, mas nem se pensa neles enquanto se vê o filme. Por exemplo, a cena do nascimento é incrível porque pela primeira vez num filme vi um recém-nascido que não era um boneco de plástico/silicone (e normalmente nem se vê a cara) nem um bebé que nitidamente tinha pelo menos 3 meses! Nada escondido, num plano que nunca mais acaba, e se o milagre do nascimento já é por si fantástico, nunca tinha visto tal coisa nitidamente no cinema (a não ser que fosse um documentário científico ou médico) de forma tão real.

Digam lá se é possível ser CGI e não um bebé real! Impressionante!

Toda a gente tinha ficado embasbacada e as teorias de como teria sido feito iam desde "o melhor animatronic jamais feito" até à possibilidade de terem filmado um nascimento a sério e depois terem coordenado os movimentos de câmara e feito a composição de forma a poder colocar o bebé real nas mãos do actor Clive Owen. Mas isto parecia tão difícil de concretizar que parecia impossível, e levantava mais questões do que as que resolvia. Quando finalmente surgiu o "making of" foi um choque para muitos, pois nunca se tinha suposto que se pudesse ter chegado àquela perfeição de iluminação/shading/tracking/composição de forma a fazer parecer o CGI tão real.

[Clique sobre a imagem para ver o making-of]

Por isso digo: sim, Children of Men merece sem dúvida um honroso segundo lugar nessa tabela, pois os momentos cinematográficos que proporciona são de uma complexidade inigualável, os quais proporcionam também eles sensações ímpares na história do Cinema.

Making of geral de Children of Man (2006)
Enviar um comentário