sábado, outubro 03, 2009

Videojogos dados de 2009

A Entertainment Software Association (ESA) publicou mais um relatório com dados de vendas, demografia e usos dos videojogos, não sendo exaustivo permite-nos retirar algumas conclsusões, a essencial é que as tendências se mantém inalteráveis, com uma excepção, a variável familiar. Nota-se uma forte presença da família no acto da compra, na monitorização dos tempos de jogo, na escolha dos jogos e até mesmo no acto de jogar. Em parte atribuiria aqui um peso forte à plataforma Wii e que pode ser vista na tabela dos jogos mais vendidos.

Aí está a idade média a subir para os 35 anos, parece que nos acompanha, à medida que vamos ficando mais velhos a idade média dos jogadores também. A faixa dos 18 aos 49 representa 50% de todos os jogadores. Questiono-me se estaremos perante uma geração de jogadores que poderá não ter seguidores? O tempo o dirá.

Quanto ao género continuamos como sempre, agora com números redondos 60/40 que me parece espelhar muito bem a realidade apesar de em muitos momentos sentirmos que a correspondência andaria nos 80/20.

Muito interessantes os resultados para Parents and Games, ou seja a variável "família" com um estrondoso 92% de presença dos pais no momento de compra dos jogos, o que se percebe dado o elevado preço dos mesmos. Mas ainda mais impactante é mesmo ver como as mentalidades nada têm que ver com os estudos que nos tentaram vender no final do século passado, com 63% dos pais a julgarem os jogos como uma componente positiva na vida das suas crianças. Já menos credivel é o valor de 94% dos pais dizerem que monitorizam o tempo que os filhos passam a jogar, mas como a categoria se reparte por "sempre" e "algumas vezes" compreende-se o valor tão elevado.

Finalmente ESA opta por diferenciar os videojogos em duas categorias que já não fazem sentido nos dias que correm, entre "Video" e "Computer". Ridículo porque existem já muito poucos jogos que seja exclusivos de um ou do outro lado. Mas mais ridículo porque se enquadram três pltaformas (ou mais contando portáteis) numa tabela de "Video" e depois cria-se uma tabela para uma plataforma única a do "computador". O "computador" deve ser visto como mais uma plataforma de jogos e nada mais. Assim como só posso jogar WoW num PC também só posso jogar Mario Kart numa Wii. Com uma divisão destas artificial os quadros de vendas acabam por se tornar em si ridículos naquilo que nos mostram. Aliás podem mesmo levar a deduzir-se, em erro, que a plataforma "computer" é irrelevante pelos valores que representa que representa no total.

Para fechar pasme-se com a evolução brutal dos dinheiros que envolvem esta indústria apenas no território americano. Apenas de 2000 a 2008 foram duplicados os valores de vendas estando agora nos 12 mil milhões, acima da indústria de cinema americana que paira entre os 9 a 10 mil milhões.
Enviar um comentário