quarta-feira, março 19, 2008

é o evolucionismo

Se partirmos do animal com o organismo mais simples possível, ele só pode evoluir numa direcção - tornar-se mais complexo. *
Ainda há dias tinha comentado aqui um tema que me é caro na investigação que tenho vindo a realizar, nomeadamente na área da emoção, a distinção entre a importância do impacto da cultura e da biologia sobre a natureza humana. Agora chega-nos mais um estudo do departamento de Biologia e Bioquímica da Universidade de Bath a demonstrar que a evolução biológica se tem feito sempre no sentido da complexificação das espécies originando e permitindo avanços. Obviamente que o impacto nesta corrente evolucionista não depende apenas da biologia, esta evolução é instigada pela cultura ou seja pela interacção entre os elementos vivos, desde as células ao homem. O factor interactivo é fundamental e isso pode ver-se na seguinte afirmação,
As poucas excepções à regra são espécies de crustáceos parasitas ou residentes em habitats remotos, como grutas marinhas isoladas. *
No entanto o que mais interessa ressalvar destas descobertas é o facto de muito daquilo que nós somos estar inscrito em nós próprios à nascença. Ou seja o impacto cultural existe e deve ser altamente respeitado, mas o seu poder é muito mais importante na análise de um processo evolutivo a longo prazo do que propriamente no desenvolvimento de uma geração, e é ainda menor no desenvolvimento cognitivo de uma criança. Ou seja temos de aprender a lidar com o facto de que somos em grande medida, ao longo da nossa curta vida, aquilo que a natureza nos permite ser.

[a partir de CiênciaHoje]
Enviar um comentário