domingo, junho 15, 2008

Cluster Indústrias Criativas

A Fundação de Serralves, em parceria com a Junta Metropolitana do Porto, a Casa da Música e a Porto Vivo, Sociedade de Reabilitação Urbana da Baixa Portuense, estão a promover a realização de um Estudo denominado “Desenvolvimento de um cluster das Indústrias Criativas na Região do Norte”. O objectivo deste estudo é a avaliação do impacto destas actividades na região, conhecer a sua evolução e o papel que desempenham e poderão vir a desempenhar na economia e na sociedade. O estudo está a ser desenvolvido por um consórcio constituído pelas empresas TF Consultancy, Horwath Parsus, Opium e Gestluz Consultores.
Foi através do programa Radar de Negócios (#243) da RTP que descobri este estudo. É estranho que um estudo desta importância tenha sido tão pouco divulgado até ao momento. Tendo em conta a importância desta indústria para os países desenvolvidos onde as indústrias transformadoras entraram em recessão ou foram deslocalizadas. Um estudo recente, The economy of culture in Europe realizado sobre os efeitos económicos das actividades criativas e culturais sobre a sociedade europeia mostrava o facto destas ultrapassarem claramente os resultados da indústria automóvel como se pode ver abaixo. Para ter uma noção da abrangência de actividades tida em conta neste estudo, deixo aqui um mapa de actividades do estudo publicado no Público.
The figures supplied by the study confirm that the cultural and creative sector in Europe is outperforming other sectors: while over two million people work directly for the automotive industry – one of Europe's key industrial sectors – creative industries employ close to six million.

The turnover of European cultural industries amounted to EUR 654 billion in 2003, while the car manufacturing industry amounted to EUR 271 billion in 2001; the cultural industries contributed to 2.6% of EU GDP in 2003, while the food, beverage and tobacco manufacturing sector contributed 1.9%; the overall cultural industries growth between 1999 and 2003 is 12.3% higher than the growth of general economy. Cultural industries employed a conservative 5.8 million people, 3.1% of total EU25 population, in 2003. [1]
Assim não temos qualquer dúvida sobre a necessidade da Europa em apostar concretamente na indústria das ciências da computação a par com as indústrias criativas. É uma necessidade vital porque são claramente as indústrias que podem transformar o panorama do emprego e dependem apenas da massa cinzenta e dos ecossistemas culturais. O facto de apresentarem baixíssimas necessidades de investimento inicial em recursos materiais permite a fácil criação de estúdios, ateliers e laboratórios na área. Contudo e como sempre existe um senão que é bem evidente no caso de Portugal e que é o factor Educação. Tanto a computação como a criatividade são ambas características provenientes do universo mental abstracto que precisa de ser fortemente alimentado inicialmente para dar frutos mais tarde, sem esse investimento as hipóteses de retorno são muito baixas. E se por um lado todos percebem isso na computação, por vezes esquece-se esse detalhe nas industrias criativas uma vez que se espera que o talento inato seja suficiente, o que é claramente um erro. Os atributos criativos são dependentes de um potencial inato tal como no caso das capacidades de programação que dependem de altas capacidades de abstracção lógica inatas. Mas ambas necessitam de ser alimentadas, uma pela matemática, a outra pela cultura.

De qualquer modo gostei de descobrir mais algumas empresas bem lançadas na área dos Novos Media e que aproveito agora para nomear aqui: Triworks, Jump Willy, InteractCreative [2], Breathewords. Quero destacar alguns dos trabalhos produzidos por estas equipas que tanto nos devem orgulhar. Começando pela Triworks e o seu trabalho para a indústria internacional de videojogos com a realização do Teaser e Portal do jogo Far Cry 2 da Crytek. Passando pelo lançamento da nova bebida da Absolut a Ruby Red realizada online pela InteractCreative e finalmente o spot para o festival Black & White pela Jump Willy. Espaço ainda para mencionar o trabalho de Adriana de Barros na edição da Scene 360.

Far Cry 2 da Triworks

Absolut Ruby Red da InteractCreative


Scene 360 de Adriana de Barros

[Mais info sobre o Cluster]
Enviar um comentário