segunda-feira, novembro 30, 2009

Emoções Interactivas na Videojogos2009

O lançamento de EMOÇÕES INTERACTIVAS, do Cinema aos Videojogos correu muito bem, apesar do atraso, estava marcado para as 18h30 e começou as 19h15. O Prof. Vasco Branco enalteceu as qualidades da obra assim como abriu pano para um olhar mais reservado sobre os sentidos das poéticas e sobre a necessidade de estabelecermos distâncias entre a ciência em laboratório e a realidade sensorial que vivemos no contacto com os artefactos.

Do meu lado falei um pouco sobre o interesse de um livro deste género para a comunidade científica portuguesa, um livro que interessa à comunidade de jogos mas não só, a todos os que trabalham a análise, o design e a produção de artefactos visuais e/ou interactivos. O livro tem uma importância espelhada pelos artigos publicados internacionalmente sobre os problemas da emoção nos videojogos mas para tal serve o leitor com um compêndio sobre as áreas subjacentes e adjacentes à análise, a saber: a emoção, a comunicação afectiva, o cinema das perspectivas da ilusão e da tecnologia, e os media interactivos da realidade virtual e dos videojogos. As pessoas presentes parecem ter gostado e há algum entusiasmo com o livro pelo facto de existir tão pouco ou quase nada publicado na área em Portugal.

Como estamos em época festiva será difícil o livro chegar às livrarias antes do Natal devido à elevada concorrência. Assim para todos os que me procuraram sobre a possibilidade de adquirir o livro, o melhor modo de o fazer é através do sítio do editor onde pode ser adquirido pelo preço a que foi vendido na apresentação e sem qualquer custo de portes.

Não posso deixar de agradecer a todos os que estiveram presentes no lançamento, assim como à Universidade de Aveiro por ter possibilitado a apresentação no seio da conferência Videojogos2009, o meu grande obrigado.

quarta-feira, novembro 25, 2009

Herwig Turk no MTAD


O artista Herwig Turk vai apresentar esta Sexta-feira 4 de Dezembro pelas 14h no campus de Azurém da Universidade do Minho, Guimarães o trabalho que tem vindo a realizar na intersecção da arte e ciência: www.herwigturk.net
i think that, generally, there is no such thing as a self-contained isolated entity called | existence, only transitional forms bound to time. this is a fundamental consideration which calls linguistic and social constructions into question. in this context, natural science and medicine offer interesting fields of exploration because they are based on facts and seek to break away from phenomena related to time. in my oeuvre, individual works are systematically modified as they are contextualized by new, subsequent works. similar to technical tools and experiments, they are at the tip of decision-making pyramids in a state of continuous development.
Artist Statement 2008
Este evento decorre no contexto do curso do Mestrado em Tecnologia e Arte Digital e realiza-se na sala engageLAB no edifício do Centro de Computação Gráfica, Campus de Azurém.

New Media & Society

New Media & Society OnlineFirst Alert
published 24 November 2009

User-generated content on the internet: an examination of gratifications,
civic engagement and psychological empowerment
Louis Leung
New Media Society published 24 November 2009, 10.1177/1461444809341264
http://nms.sagepub.com/cgi/content/abstract/1461444809341264v1?papetoc

The Question Concerning (Internet) Time
Susan Leong, Teodor Mitew, Marta Celletti, and Erika Pearson
New Media Society published 24 November 2009, 10.1177/1461444809349159
http://nms.sagepub.com/cgi/content/abstract/1461444809349159v1?papetoc

quarta-feira, novembro 18, 2009

lançamento de Emoções Interactivas


Estão convidados a assistir ao lançamento do meu livro Emoções Interactivas. Do Cinema para os Videojogos a realizar durante a Conferência Videojogos2009, no dia 26 de Novembro de 2009, pelas 18h30 na Universidade de Aveiro (auditório DeCA).

O livro será apresentado por Vasco Branco, Prof. Doutor Associado da Universidade de Aveiro.

Sítio web: www.emocoesinteractivas.net

terça-feira, novembro 17, 2009

Assassin’s Creed: Lineage

Assassin's Creeed II tem-nos sido impingindo quase ad nauseum. Não sei quais os valores em questão para a campanha de marketing mas começo a pensar que devem estar quase equiparados aos de produção do próprio jogo.

Esta curta-mertagem de 35 minutos é mais um exemplo disso. Uma curta com boa produção, uma realização de Yves Simoneau (realizador de séries TV: "V" ou "The 4400") com actores um pouco medianos é verdade, mas excelente desempenho de toda restante equipa técnica. A curta que foi difundida nos últimos dois meses espaçadamente em três blocos, é-nos agora oferecida na sua plenitude. O objectivo é converter os que ainda não o foram e essencialmente dar a conhecer o universo narrativo do jogo para quem não jogou o primeiro volume.



O jogo sai esta sexta-feira, dia 20.11.2009.

Hit the Bitch

"Hit the Bitch" (2009) é o nome de uma campanha social sobre a violência sobre as mulheres, que faz um uso de forma bastante dura das potencialidades da interactividade para aumentar o impacto da sua mensagem. Não se pode definir como um jogo, uma vez que não nos é dada alternativa, mas não deixa de ser interactivo por causa disso. É um objecto interactivo, no sentido em que clama pela nossa acção e reage fortemente a cada uma delas.

O dilema que nos é colocado, bater para saber até onde chega a narrativa, para obter a mensagem final, é problemático e é literalmente um murro no estômago de quem interage. Pena que isto esteja apenas em Dinamarquês, muito mais impacto teria se estivesse em Português ou pelo menos em Inglês, não deixando contudo de ser eficaz.





[a partir de The Denver Egotist]

Ident ARD/ZDF "Caveman"

segunda-feira, novembro 16, 2009

uma obra, muitos enredos e muita Motivação

É um projecto fenomenal, grandioso e mesmo como diz



Leitura de The Cavern of Doom, feita por mim. Por cima da página pode ver-se o gráfico que vai sendo desenhado em tempo real à medida que vou fazendo escolhas na leitura.


domingo, novembro 15, 2009

Medo de se enredar


10 Games We're Scared to Play
We check out 10 games we're terrified to play, for fear that they'll ruin our social lives.

sábado, novembro 14, 2009

Pintar com vídeo

O que se pode apreciar no vídeo abaixo é fascinante. Fica no entanto um sabor amargo porque apesar de ter procurado, não consegui encontrar suficiente detalhe para explicar melhor o que está por detrás da tecnologia. Deixo aqui o que encontrei num texto do Wooster Collective.
Multimedia performers Sweatshoppe have been wheat pasting buildings with moving images all over New York. Mapping video projections to LED-lit paint rollers, Sweatshoppe lay their projections on a surface, paint-stroke by paint stroke. They call new digital performance style "Video Painting".

How it works: The software controlling the video was written in Max. The paint roller does not use any sort of paint, it simply contains green LEDs. The software tracks the color green and outputs the x y position which are sent to drawing commands and the strokes are textured with video.

Sweatshoppe is video artists Bruno Levy and Blake Shaw. They plan on eventually releasing the software, but only after it is much more refined, buffed up with features and is user-friendly.



UPDATE 24 Novembro 2009

Afinal não vi com suficiente atenção o vídeo e pensei que a tecnologia em uso era mais avançada. Explico porquê. Há dois anos tivemos um trabalho no Mestrado em Tecnologia e Arte Digital chamado Virtually Painting realizado por três alunos nossos - Heduino Rodrigues, Jorge Sousa e Nuno Nogueira. Que fazia uso de rolos de tinta para pintar paredes com fotografias utilizando a visão por computador.

Virtually Painting (2008) de Heduino Rodrigues, Jorge Sousa e Nuno Nogueira

Entretanto quando vi este trabalho não me apercebi de imediato que também usavam a projecção e pensei que havia algo mais físico na tinta. Assim sendo o projecto continua a ter interesse, até porque aqui trabalham com vídeo e em ambiente exterior, mas na verdade o trabalho dos nossos alunos continua a estar na vanguarda. Aliás o mesmo foi galardoado com um Vale Inovação de 25 mil euros para ser aplicado em ambientes publicitários e esteve recentemente em exibição nos Açores tendo a RTP feito uma reportagem sobre o mesmo.

quinta-feira, novembro 12, 2009

Pré-história e mortalidade, quem somos no Facebook

Como partilhar online com os outros informação sobre quem somos. Esta não é uma questão de hoje, é uma questão que nasceu com a criação de comunidades de seres humanos nos tempos das cavernas ainda e nos quais era necessário, ou melhor, uma condição de sobrevivência, realizar uma boa gestão da informação partilhada com o grupo para poder manter-se no seio da comunidade. O facto de um dos elementos não gostar do líder, ou de ter uma paixão pela mulher do líder, se partilhada poderia gerar em pouco tempo, num efeito de boomerang, uma resposta que poderia ter implicações muito nefastas sobre a sua permanência no grupo. Não podemos esquecer que sem o grupo dificilmente um individuo sobreviveria sozinho, é essa a condição mamífera.

Ora o que temos hoje é por um lado o abandono completo destas formas comunitárias no plano físico. Ou seja as pessoas vivem cada vez mais apenas com a família nuclear (pais e filhos) num apartamento/moradia numa cidade onde não conhecem os vizinhos do prédio ou da casa ao lado. No emprego falam de trabalho e banalidades evitando a partilha do íntimo, restringindo os relacionamentos. As crianças/adolescentes chegam à escola pela manhã e socializam até ao meio da tarde, depois começam as actividades de aprendizagem "forçada" e no final voltam para a concha familiar.

Assim o que nos resta? As comunidade virtuais. São o grande escape para esta avassaladora necessidade de contacto, partilha e socialização que nos é inerente como humanos, e como espécie mamífera. Não conseguimos (salvo raríssimas excepções) viver sozinhos, sequer estar sozinhos. O grupo, a comunidade e a tribo foram e são vitais para a manutenção da sobrevivência da espécie, para a sobrevivência do indivíduo (arranjar comida e proteger-se dos perigos). Como tal isso tem fortes implicações sobre a cognição e emoção que operam um constante desejo de proximidade e companhia dos da mesma espécie. É inata a condição de criação de vínculos, de afectos e consequentemente de socialização

Assim e no contexto actual de vivência enclausurada entre paredes com trincos à porta, porque vivemos um medo constante, medos dos Outros, um medo fortemente fomentado pela partilha de informação à escala global. Temos um rapto de uma criança em Portugal e isso tem implicações directas sobre as vivências das comunidades no interior do estado do Utah, ou num bairro de São Paulo, ou nas brincadeiras das crianças das ruas de Praga. E esquecemos que a nossa espécie popula o planeta com cerca de 6,8 mil milhões (6 800 000 000) de seres, algo já de si inatingível para a nossa compreensão da espécie. Mas se acrescentarmos a isto o facto de por ano morrerem no nosso planeta 55 milhões de pessoas, ou seja quase duas pessoas por segundo, julgo que as coisas se tornam mais claras para todos nós. Sobre o real valor de uma morte para o planeta em que vivemos.

Destes desaparecimentos as causas estão praticamente todas ligadas a condições fisiológicas (a saúde) sendo que os acidentes de actos resultantes de actos não intencionais (aparecem apenas em nona posição). Aparecendo as causas intencionais como guerra, assassínios, suicídios e violência apenas em 15º. A possibilidade de morrermos de ataque cardíaco é 5 vezes superior a morrer num acidente fruto do acaso, e 10 vezes superior a morrermos por uma causa violenta intencional. Nunca vivemos tempos de tanta paz, tranquilidade e calma em toda a história da humanidade. Evoluímos muito, aprendemos a controlar os ímpetos, a saciedade das necessidades básica (Pirâmide Maslow, com tudo o que ela tenha de suspeito, continua a ser um bom macro-indicador) elevou-nos para outra condição. A este propósito veja-se a conferência de Steven Pinker sobre o Mito da Violência na TED.


Assim a informação global desenvolveu aos poucos uma corrente retro-alimentada de Medo que nos vai empurrando para o aprisionamento dentro de nós, para o mascarar de si, que nos impede de partilhar quem somos. Que nos impede de sermos nós próprios. Por outro lado as comunidades virtuais vieram preencher esse vazio criado pelo medo. A partilha que fazemos enquanto utilizadores nestas comunidades raramente é consciente, porque é uma necessidade absoluta que temos enquanto sujeitos. Claro que podemos usar a informação em nosso proveito, mentindo, etc. Mas isso é o que sempre fizemos. Sempre utilizámos a mensagem em função do meio para condicionar, manipular o próximo.

Ora o que está em jogo nas actuais comunidades virtuais e difere das anteriores está relacionado com o controlo da recepção. Agora não podemos controlar quem receberá a informação, sendo publicada em meio aberto fica à disposição de qualquer um para poder fazer o que bem entender com ela. Por outro lado tem uma enorme vantagem face ao modelo anterior, a diminuição do boato ou do diz que disse. Porque qualquer receptor pode dirigir-se à fonte da informação sem ficar limitado ao que o mensageiro lhe traz e assim confirmar ou não a informação. Ou seja o agente, nós, tem de aprender a lidar neste novo modelo, saber que pode potenciar a comunicação para muitos, e que isso joga em favor da comunicação da sua mensagem, do quem ele é realmente. Mas como tal corre mais riscos porque muito mais exposto e como tal terá de usar de toda a arte de gestão e manipulação da informação para que esta não crie efeitos de boomerang. Exemplos como a perda de emprego após a empresa ter tomado conhecimento das ideias do seu empregado publicadas num blog, facebook, etc. é cada vez mais uma realidade. Faça-se uma busca no google por "How to Lose Your Job on facebook" e veja-se como assunto prolifera.

Mas não é só uma questão de gestão de informação para muitos receptores que está em causa. O facto de passarmos a depender de uma estrutura externa (ex. Facebook) para afirmar quem somos, em vez de nos afirmar-mos pela nossa pessoa presencialmente e fisicamente levanta outros problemas mais complexos. A identidade presente no facebook adquire assim um novo estatuto, um estatuto que lhe permite servir de indicador sobre o que é real ou não é. Como diria o nosso Baudrillard, passámos então a viver numa hiperrealidade em que a imagem (profile Facebook) é a realidade, e em que o real já pouco ou nenhum valor assume. Assim sendo criámos um problema e que reside no facto de precisarmos de manter um controlo apertado dessa identidade virtual, de outro modo poderemos sofrer consequências reais. Assim já não precisamos apenas de cortar a barba, tomar banho, vestir roupa lavada para socializar mas precisamos de manter a nossa presença virtual como algo capaz de representar-nos, de representar os nossos objectivos. E aqui corremos alguns perigos, perigos esses que são directamente proporcionais à quantidade de informação partilhada pela identidade virtual.

Um filme de 1995, The Net, vendia-nos esta história. E naquela altura pareceu-nos apenas mais um filme sobre geeks e computadores muito longe da realidade. Mas hoje não falamos de controlos de bases de dados governamentais, dos registos de saude ou de IRS, embora lá chegaremos em breve. Mas falamos de uma identidade virtual que se espalhou a um ritmo estonteante e no qual simplesmente as pessoas se dão a conhecer, como querem que os outros os vejam. E é aí que reside a questão, se enquanto comunidade acreditarmos naqueles perfis, e acreditamos, então a usurpação de um destes perfis por parte de alguém menos bem intencionado pode ter vários efeitos de boomerang sobre a pessoa a quem a identidade virtual foi assaltada. E é sobre isto que nos fala o grupo Control Your Info. Com várias acções de intervenção no Facebook já o demonstraram e estão a fazer um trabalho no mínimo formativo no sentido de ajudar as pessoas a reflectir sobre o real potencial de uma identidade virtual, e sobre os seus impactos.

Dou-me conta que este é mais um perigo que nos vem afastar da partilha e do espirito comunitário. Como tal julgo que o perigo deve ser visto antes como algo que nos deve ajudar a reflectir sobre o a importancia eo alcance destes meios. Nos deve ajudar a tomar medidas no sentido de proteger o que é nosso, e não descuidar. Casos como os colegas que deixam facebooks abertos nos empregos e permitem que colegas usurpem passwords são o mais comum método de conseguir acesso. Não pensem que falamos de grande programadores que penetram as redes por meio de conhecimentos muito elaborados. Um dos maiores hackers da história e que esteve preso por vários anos, não era grande programador e considerava-se antes de mais um perito em engenharia social. Na maior parte das vezes o nosso maior problema está por perto e como tal o que interessa é que devemos pensar em proteger essa informação.

Por outro lado e tão importante é que devemos parar e reflectir seriamente sobre o que queremos que os outros vejam em nós e não recorrer à partilha por impulso, tão banalizada por ferramentas como o Twitter ou os comentários rápidos no Facebook "What's in Your Mind" no qual expressamos o que nos passa pela cabeça num determinado minuto ou momento, porque estamos chateados ou alterados, porque alguém nos incomodou, ou porque não gostamos de uma determinada atitude. No mundo real uma frase destas é transmitida pela ar e desaparece nos ouvidos dos poucos que estão por perto que dificilmente poderão provar o acontecido. Aqui ficam registos de tudo, é uma extensão de nós que nos vai registando e catalogando...

quarta-feira, novembro 11, 2009

CFP: Screens and Sociotechnical Attachments

Call for papers: Journal Comunicação e Sociedade
Communication and Society Research Centre, University of Minho, Portugal

Special Issue: Screens and Sociotechnical Attachments

Screens as designed interfaces play a central role in the 21st century digital era: they mediate our daily activities, shape our cultural and technological imagination, and have an undeniable human significance. In this issue of Communication and Society on ‘Screens and sociotechnical attachments”, we are especially interested in computer screens, cinema and video screens, screens incorporated in urban spaces, as well as on those that are wearable. We focus on these kinds of screens and related information technologies and ask what its implications might be for the way people communicate and interact in private and public spaces.

Areas that might be explored under this general concern include, but are by no means limited to, the following:

- the many different roles of “screen”,
- the changing concepts of the screen or its social history;
- the presence of screens in the urban landscape, their implications for shared engagement and social experience;
- the interactions between “old” semiotic resources and new technologies;
- the way screens shape perception and the logic of visual reading:
- the play out between visibility and invisibility;
- the discourses that are a part of screens experiences;
- the embodied and social nature of pleasures, as well as of the “pains” associated with screens.

In this issue we especially encourage essays, but empirically-based papers will be accepted as long as their results are considered theoretically relevant.

Comunicação e Sociedade is a peer reviewed journal and operates a double-blind reviewing process. Once a paper has been submitted it is distributed to two reviewers who are asked to assess it on its individual merits according to academic quality, originality and relevance to the aims and scope of this issue.

Manuscripts should be sent by email as a Word attachment to j.pinheiro.neves@gmail.com by the 31st January 2010. Notification of acceptance decisions will be communicated via email by the beginning of March 2010.

See editorial and Manuscript Submission Guidelines.

Working languages: Portuguese, Spanish and English

This issue on ‘Screens and Sociotechnical Attachments” will be published by July 2010.

Trem de carros

Está aí um novo projecto europeu (FP7) que deverá revolucionar o futuro da paisagem nas estradas Safe Road Trains for the Environment coordenado pela Ricardo UK Ltd. É um projecto que pretende libertar os condutors da tarefa de condução, podendo dedicar-se a fazer qualquer outra coisa no interior do seu carro. Nada de novo quanto aos objectivos, andamos nisto há décadas, mas aqui temos um novo elemento que acredito poderá mudar radicalmente o estado actual, e passa pela inserção da componente humana na equação. Ou seja o processo baseia-se na existência de um carro de fila que funciona como locomotiva guia e esta é conduzida por um humano. Para perceber como funcionará este novo modo de conduzir, veja-se as imagens abaixo retiradas da BBC, que conseguem traduzir visualmente a ideia de forma perfeitamente clara (excelente trabalho de infografia).

How a road train could work

The driver's sat-nav indicates that there is a road train ahead that is following some of his/her planned journey.

The driver approaches the road train, which is controlled by a professional driver at the front, and indicates that he/she wishes to join.

The road train takes control of the extra car, pulling it close to cut air drag and save about 20% in fuel consumption.

The drivers can relax until they wish to leave the road train, at which point they signal their intention to the driver at the front.

A bigger gap will be made to allow the car to leave and control of the vehicle will be returned to that driver.

Digo-vos, esta é a reposta ao meu sonho, para quem tem de fazer várias vezes por semana o percurso Aveiro-Braga-Aveiro por auto-estrada, isto é a resposta que poderia ajudar-me a traduzir as 3 horas de percurso perdidas, em tempo de trabalho útil ou até lazer.
Estive envolvido em tempos no desenho de uma proposta de sistemas inteligentes e de companheiros virtuais para carros e desde então e porque realizo estas viagens perco imenso tempo a pensar nisto. Sem dúvida que enquanto eu tiver de manter o controlo do volante nada mais além do Audio é possivel de ser equacionado. A conjunção da necessidade visual com necessidade de interacção humana é fatal. A simples escrita de SMS ou consulta de informação visual interactiva (consultar e-mail, ver o tempo) produz demasiado desequilíbrio na Atenção, sendo que o canal menos perturbador continua a ser o audio (rádio, música e audiobooks).

terça-feira, novembro 10, 2009

Curso XNA na Videojogos2009

Passatempo: Curso XNA com SPCV e Hotel As Américas

A TakeitGame alia-se à Sociedade Portuguesa de Ciências dos Videojogos (SPCV) para poderes usufruir das últimas vagas no curso de XNA, ferramenta de produção de jogos para Xbox 360, com a garantia da Microsoft. O curso realizar-se-à nos dias 24 e 25 de Novembro e serve como abertura ao evento Videojogos2009, evento em que a TakeitGame é o parceiro media oficial.

Além disso, e como o curso tem a duração de dois dias, e em estrita parceria com o Hotel As Américas****, tens uma noite gratuita no hotel mais luxuoso da cidade de Aveiro, em quarto duplo, em regime de alojamento e pequeno-almoço. Este hotel moderno situa-se a escassa distância da Universidade de Aveiro, onde decorrerá o curso XNA.

Aos três participantes mais originais, a TakeitGame tem para oferecer uma vaga no curso XNA e, destes, o mais original terá estadia gratuita no hotel As Américas****.

segunda-feira, novembro 09, 2009

curta: Un tour de Manège

Uma animação impressionista desenvolvida por 5 alunos, Nicolas Anthanè, Brice Chevillard, Alexis Liddell, Francoise Losito, e Mai Nguyen, da Gobelins, l'école de l'image. Funciona o movimento tonal da cor e a narrativa esboroada que requer a nossa atenção e o seu preenchimento mental.
Saying so much by doing so little, Un tour de Manège gets it right. It’s tactile: full of tonal and shading effects, chalky, and sprinkled in baby-powder. It’s innocent: tapping into the existential dramas of childhood, and like many works from the Gobelins school, crystallizing emotions like fear and loneliness in graphical simplicity. These moments are brief, but define a coming of age for the character, and help to humanize the inherent flaw by providing an escape from reality. Liberation by imagination. [Motionographer]

5th Internacional Conference of Digital Arts



ARTECH 2010, 5th Internacional Conference of Digital Arts
22 & 23 April, 2010 - Guimarães, Portugal

Full papers submission: 27 November 2009
Installations and short papers: 04 December 2009

curta: Ataque de Pánico!

Mais uma curta de efeitos visuais comparáveis a grandes produções de Hollywood criada praticamente apenas por duas pessoas Federico Alvarez e Mauro Rondan, em 6 meses e com apenas 300 dólares, da Aparato na Argentina no Uruguay. Acredito que os desenvolvimento trazidos pelas novas técnicas de iluminação 3d potenciadas pelo HDR vieram criar um novo limiar para o que é possível no que toca à cruzamento 3d e real. Vale a pena ser visto.

sítio da semana #1

É o primeiro sítio web de uma celebridade, Jim Carrey, que referencio como visita obrigatória. Utilizando um paradigma de interacção assente na metáfora, utiliza depois de forma muito eficaz a navegação em profundidade para atribuir uma dimensão escalável ao site. Para além das questões técnicas é de grande qualidade visual e dinâmica. Um site muito rico na representação e no detalhe que ajuda a transportar o experienciador para o lado de lá muito facilmente. Cada área possui uma dimensão própria da representação e a passagem entre cada dimensão é um verdadeiro deleite de movimento gráfico. Nota máxima.

[a partir de UNT]

sexta-feira, novembro 06, 2009

Freakonomics

Hoje foi um dia para esquecer nas auto-estradas. Quando saí de Aveiro estavam 3 mais 3 carros acidentados na entrada para a A25, pela A29 encontrei mais uns 4 acidentados, ao chegar à entrada do Porto apanhei uma fila ainda na A29 que me fez estar mais de uma hora em pára arranca até chegar ao corte para a A3, com mais uns dois carros acidentados entre o Freixo e as Antas, e na A3 até Braga vi mais um carro acidentado e dois parados.

No meio de tudo isto valeu-me o audiobook Freakonomics (2005) de Steven Levitt, que acabei de ler/ouvir. É um livro impressionante não pelas interpretações polémicas e conhecidas, mas pela forma intuitiva e rigor científico que Levitt fala dos dados. É um livro a ler por qualquer aluno das ciências sociais e a ler por quem se interesse um mínimo pela análise do social a partir dos números e das estatísticas. Abre-nos a mente e os horizontes a forma como podemos ler a vida, distanciando-nos de todas as questões morais e olhando exclusivamente para os números, pedindo-lhes respostas. Ajuda também a perceber o que está por detrás do trabalho de investigação nas ciências sociais e o quão difícil é o trabalho de obtenção dos dados necessários.

Para além das ilações sobre o impacto do aborto sobre as taxas de crime, julgo que as interpretações sobre o papel dos pais nos resultados dos filhos, sobre as questões eternas da natureza ou cultura, assim como as constatações sobre a "batota" nas relações humanas e o controlo de informação e o seu declínio com a web são motivos mais do que suficientes para tornar este livro uma leitura obrigatória.

Mais
Análise de SuperFreakonomics (2009).

O presente de natal perfeito

Excelente trabalho de motion grahics surpreende-nos pela originalidade e criatividade do movimento e da sua relação com a constante mutação entre forma e o fundo. Filme criado pelos Communication Design alumnus Tom Theall (BFA'09) para a Cruz Vermelha Americana.



[a partir de UNT]

quinta-feira, novembro 05, 2009

Prince of Persia, o filme


Visualmente assombroso, Prince of Persia: The Sands of Time (2010), com um bom actor, Jake Gyllenhaal (Donnie Darko, Borkeback Mountain, Zodiac), parecido com o personagem da encarnação 3d e ainda com Alfred Molina e Ben Kingsley. A realização será de Mike Newell, mas tendo em conta que é uma produção de Jerry Bruckheimer isso definirá muito mais o filme, e o trailer reflecte isso mesmo, uma estética decalcada do sucesso Pirates of the Caribbean.

segunda-feira, novembro 02, 2009

Dexter comic e animado

A narrativa de Dexter sofre uma nova mutação agora será a vez de comic animado. Early Cuts é uma série animada de 12 episódios exclusivos para a web e focados sobre os anos de juventude de Dexter. Ridiculamente e porque falamos de web, os episódios publicados pela Showtime, só serão acessiveis a utilizadores nos EUA.
No vídeo abaixo é possível ver o processo de criação da série animada numa apresentação bastante interessante e informativa. A composição foi toda realizada com recurso so After Effects.


Gripes e suicídos

Sendo algo off-topic parece-me importante deixar aqui esta nota a bem de todos. Aliás estive para falar do assunto quando regressei de Bolonha na semana passada, onde não encontrei desinfectantes por todo lado, nem nos aeroportos de Frankfurt nem de Bolonha. Mas também não na Universidade de Bolonha nem em qualquer outro local. Nos media também pouco ou nada, e a única coisa que me chegou de gripe A aos ouvidos e olhos em 5 dias fora de Portugal (na Europa) foi a notícia de que o Obama preparava um plano para enfrentar a gripe A nos EUA. Isto poderá dizer-nos muito sobre a permeabilidade do jornalismo nacional e não só...

Mas hoje deixo aqui uma mensagem porque encontrei algo que procurava, dados científicos sobre o real potencial da chamada Gripe A e a sua relação com a gripe sazonal que nos afecta desde que nascemos. Coloco aqui apenas um excerto que em minha opinião mostra tudo a nu, e deixo o resto para lerem no sítio original de publicação. O texto vem assinado por Teresa Forcades i Vila, médica especialista em Medicina Interna e Doutorada em Saúde em Pública.
Desde su inicio hasta el 15 de septiembre del 2009, han muerto de esta gripe 137 personas en Europa y 3.559 en todo el mundo [6]; hay que tener en cuenta que cada año mueren en Europa entre 40.000 y 220.000 personas a causa de la gripe [7]
UPDATE:
Para quem questiona a autenticidade do texto desta senhora e da sua boa-vontade deixo aqui a ligação para os números oficiais que podem ser obtidos publicamente através de um organismo Europeu pago pelos impostos de todos nós o European Centre for Disease Prevention and Control (ECDC) e o excerto concreto onde os números aparecem.
Applying the range to the EU population as a whole (around 500 million in 2008) would result in between 40,000 excess death in a moderate season and 220,000 in a bad season, though Europe has not seen a bad season for some years.
Mas se não for suficiente podemos ainda comparar os mesmos com os números dos EUA mesmo devidamente tratados com métricas de redução de outras prováveis variáveis em vários artigos como este do Journal of Epidemiology que apontam para os 40,000/ano num período 1979-2001. Se tivermos em conta uma população similar à Europeia os números equivalem-se.

E finalmente os números de mortalidade da Gripe A, actualizados para 2 de Novembro 2009,

Europa: 317 casos fatais
Mundo: 6153 casos fatais

Dados retirados da Influenza A(H1N1)v Outbreak Table constantemente actualizada pela ECDC.


Este é sem dúvida um fenómeno da modernidade em que as "narrativas globais" proliferam à velocidade dos media omnipresentes, em que a pós-modernidade sofre o seu retrocesso. Veja-se o recente fenómeno dos chamados "suícidos na France Telecom". Mais um caso alimentado pelos media de forma totalmente passiva e sem o mínimo esforço de análise da autenticidade do epifenómeno. Bastava aos jornalistas um simples exercício de matemática para saber como tratar o assunto, mas não, interessa muito mais a NARRATIVA. Na verdade o jornalismo é hoje muito mais drama do que facto. Além de que sabe bem ter o poder para linchar um CEO de uma grande empresa como acabou por acontecer.

Édouard Manet, Le Suicidé, 1877-81, oil on canvas, 38 x 46 cm.

Neste caso veja-se que segundo a OMS, a França apresenta uma taxa de suicídio relativamente a 2006, de 25,5 por cada 100,000 homens, e 9,0 por cada 100,000 mulheres. Agora verifique-se que o número de suicídios na France Telecom foi de 25,0 em 18 meses (quase todos, ou todos homens). Isto dá-nos um número de 16,6 por ano. Se tivermos em linha de conta que a France Telecom tem entre 100,000 a 120,000 funcionários, retirem-se as devidas conclusões.

domingo, novembro 01, 2009

Doubt (2008)


Aqui ficam as minhas impressões em jeito de memória escrita do filme Doubt (2008) de John Patrick Shanley com Meryl Streep e Philip Seymour Hoffman. Tinha o filme em agenda há bastante tempo, acabei por o ver agora que passou no TVCine. Os actores são de grande relevo, o realizador tem como vantagem o facto de ter escrito e dirigido a peça homónima para teatro, e aqui ter feito a sua adaptação e realização. Tudo bons ingredientes, para além disso a crítica foi unânime, o público e os festivais também em considerar este um bom filme. Ou seja seria difícil não nos agradar.

Mas na verdade, posso dizer-vos que a primeira sensação com que fiquei foi de algum desagrado. Claramente que o que está aqui em causa é a dramatização de cada personagem e isso em Teatro funciona de forma muito mais saliente que no cinema. Mesmo que aqui tenhamos excelentes actores não só os dois principais Streep e Hoffman mas também a deliciosa interpretação de Viola Davis como mãe do pequeno rapaz negro, e ainda a deslumbrante transformação de Amy Adams.
A base do filme é usar o artifício da Dúvida para nos questionar sobre outras matérias. Julgo que o problema aqui está na forma como Shanley representa a dúvida que em meu parecer é demasiado superficial, sendo que opta por a enquadrar na forma como a trata na encenação e não tanto no tema em discussão. Tratando-se de religião, a dúvida deveria ser algo de mais elevado, espiritual. Mas claro, o problema é que estamos em 1964 e as questões então eram bem diferentes assim como o peso da religião na sociedade. Ter dúvidas, era visto como uma fraqueza e não como um virtude.


Shanley opta por encenar a dúvida e depois deixa-nos pendurados sob ela, não nos aliviando com uma resposta clara, em jeito de simulação e de experienciação dada a tomar ao espectador. É bom porque nos obriga a pensar, é mau porque nos deixa com um travo na garganta, queremos respostas. Mas na verdade, é essa a condição da dúvida, não ter resposta. E é por isso que Doubt segundo o bom principio Brechtiano se eleva e passa de uma resposta visceral de desgrado a uma resposta reflexiva de pleno agrado.

memórias

Dou-me conta de algo que vem acontecendo com a minha memória, a sua infalibilidade, já não é a mesma de antigamente, nomeadamente no que se refere a conhecer e lembrar o que já vi e não vi, o que li e não, o que joguei e não, o que apreciei e não. Por isso e depois de ver e adicionar Doubt (do qual falarei já a seguir) à minha listagem de filmes, parei um pouco para olhar para os mais recentes títulos e dou-me conta que parte deles tenho dificuldade em saber do que tratam. Nunca tive memória para decorar deixas, aliás não consigo cantar qualquer canção de cor ao contrário da minha filha que pode passar uma tarde inteira a debitar o seu reportório.


Mas isto vem agravando-se, a razão é evidente, o excesso de informação que nos dá menos espaço/tempo para a necessária "rehearsal" por um lado e o aparecimento de momentos da vida que se sobrepõem em termos de importância na nossa memória de longo-prazo e por isso descartam ou melhor desligam anteriores memórias. Deste modo vejo-me obrigado a adicionar a data de visualização à minha lista e para aumentar as hipoteses de reconhecimento vou tentar deixar sempre uma pequena nota aqui no blog sobre o filme visto, na esperança de que a sua leitura possa evocar elementos perdidos na minha memória do filme em causa.