sexta-feira, fevereiro 27, 2009

twitter explicado visualmente

Mais uma maravilha audiovisual sem recurso a grandes produções ou orçamentos produzido pela commoncraft. É impressionante como com recursos tão simples e de forma muito fluída conseguem comunicar a ideia por detrás da ferramenta Twitter. Claro que o tema se presta a tal, mas o modo como se apresenta o novo elemento no filme dá-lhe toda uma outra dimensão capaz de a encaixar no stream de eventos do quotidiano de uma forma perfeitamente natural. Vejam por favor.

domingo, fevereiro 22, 2009

o seguidismo


Foram divulgados no passado dia 19 Fevereiro os Oscars dos jogos digitais, os prémios da ACADEMY OF INTERACTIVE ARTS & SCIENCES. Com 10 nomeações, LittleBigPlanet apresenta-se como a referência incontornável de 2008, tendo conseguido 8 das 10, incluindo o troféu para Overall Game of the Year.
De reparar na lista de nomeados que esta indústria apesar de apresentar uma diversidade imensa, quando toca a este género de festivais, sofre exactamente do mesmo problema que sofre a academia de cinema de Hollywood, um olhar fortemente egocêntrico e viciado. Se não compare-se as nomeações de 2009. Para Hollywood, os filmes apresentados na categoria de:

BEST PICTURE
  • The Curious Case of Benjamin Button
  • Frost/Nixon
  • Milk
  • The Reader
  • Slumdog Millionaire
E agora dê-se uma vista de olhos em algumas das categorias principais de nomeados: DIRECTING; LEADING ACTOR; FILM EDITING. Isto é algo que deveria deixar a academia de Hollywood embaraçada. Das três, uma: ou não há talento, ou passa-se algo por debaixo das mesas; ou então a que me parece mais provável, a falta de espírito crítico das cerca de 4000 individualidades que compõem o juri jogam tudo no "carneirismo".
E agora do lado da indústria dos jogos digitais veja-se que tivemos os seguintes títulos nomeados para :

OVERALL GAME OF THE YEAR
  • Fallout 3
  • Grand Theft Auto IV
  • Left 4 Dead
  • LittleBigPlanet
  • Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots
E veja-se agora os nomeados das seguintes categorias: Console Game of the Year; Outstanding Achievement in Game Direction. É deveras impressionante, e gostava que alguém de cada uma destas academias viesse a terreiro explicar uma tão vergonhosa circunscrição artística, uma delimitação artificial que cria a impressão de que o mundo é representável por um punhado de ideias.


Little Big Planet (2008)

Abaixo fica a listagem de todos os prémios da AIAS de 2009.

12th Annual Interactive Achievement Awards
anunciado a 19.02.2009

Family Game of the Year: LittleBigPlanet
Strategy/Simulation Game of the Year: Command & Conquer: Red Alert 3
Outstanding Achievement in Animation: Prince of Persia
Outstanding Achievement in Art Direction:
LittleBigPlanet
Outstanding Achievement in Visual Engineering: LittleBigPlanet
Outstanding Achievement in Gameplay Engineering: Spore
Outstanding Character Performance: LittleBigPlanet - Sackboy
Outstanding Achievement in Story - Adapted Material: Star Wars: The Force Unleashed
Outstanding Achievement in Story - Original
: Fallout 3
Role Playing Game of the Year: Fallout 3
Outstanding Innovation in Gaming: LittleBigPlanet
Outstanding Achievement in Original Music Composition: Metal Gear Solid 4: Guns of the Patriots
Outstanding Achievement in Soundtrack: Rock Band 2
Outstanding Achievement in Sound Design: Dead Space
Computer Game of the Year: Left 4 Dead
Adventure Game of the Year: Mirror’s Edge
Massively Multiplayer Game of the Year: World of Warcraft: Wrath of the Lich King
Sports Game of the Year
: NHL 09
Racing Game of the Year
: Burnout Paradise
Fighting Game of the Year: Super Smash Bros. Brawl
Outstanding Achievement in Online Gameplay: Left 4 Dead
Action Game of the Year: Dead Space
Handheld Game of the Year: God of War: Chains of Olympus
Cellphone Game of the Year: Spore Origins
Casual Game of the Year
: Braid
Outstanding Achievement in Game Design: World of Goo
Outstanding Achievement in Game Direction: LittleBigPlanet
Console Game of the Year: LittleBigPlanet
Overall Game of the Year: LittleBigPlanet

quinta-feira, fevereiro 19, 2009

trailers de jogos

E já agora ficam aqui dois belíssimos trailers que apesar de usarem uma linguagem fílmica, conseguem oferecer algo pertencente unicamente à linguagem dos jogos. Esse algo está relacionado essencialmente com a mostra do comportamento e movimentos do personagem controlado pelo utilizador que por aí poderá sentir algo daquilo que irá encontrar no jogo.


Prince of Persia - TGS (2008)



Tomb Raider Underworld (2008)

cinematic trailer

Chamar a isto jogo, começa a parecer estranho. Quem vir este trailer só pode pensar estar perante a saída de um novo filme e não de um novo jogo. Impressionante graficamente, mas será que é por aqui o caminho...

sábado, fevereiro 14, 2009

o tempo e a falta dele

O recente artigo de Chris Hardwick na Wired, Diary of a Self-Help Dropout: Flirting With the 4-Hour Workweek fez-me repescar um texto que tinha ideia de escrever para aqui, mas que fui deixando de lado, sobre o mundo recheado de conteúdos que se amontoam e nos roubam tempo para viver.

Saber que o tempo que se passa em contacto com os conteúdos raramente pode ser considerado trabalho uma vez que do ponto de vista produtivo o resultado é nulo, contudo não pode existir trabalho no seu encalço sem a realização desta tarefa menos nobre que pressupõe: ver, ouvir, ler, jogar e interagir. Assim vejamos o que é necessário para que possamos prosseguir uma carreira académica na área do entretenimento digital e media interactivos, tendo em conta um dia com 24 horas.

um dia, 24 horas
  • VER - Cinema - 105m
  • VER - Séries TV - 60m
  • JOGAR - Jogos Digitais - 60m
  • INTERAGIR - Conteúdos Online - 45 m
  • INTERAGIR - Novos Softwares - 30 m
  • LER - Literatura Ficção - 60m
  • LER - Literatura Técnica - 45m
  • LER - Jornais e revistas - 45m
  • LER - Papers - 45m
  • OUVIR - Música - 15 min (e enquanto outras tarefas)
Dá um total de 8h30, ou seja, poderia ser um normal dia de trabalho. No entanto depois é ainda necessário organizar ideias, entranhar e reflectir para poder criar, escrever, desenhar e só depois então começar a produzir algo.
  • PENSAR - Reflectir - 30m
  • ESCREVER - Ideias - 15m
  • DESENHAR - Esboços - 15m
  • PRODUZIR - Gestão/Organização - 15m
  • PRODUZIR - Programação de computadores - 60m
  • PRODUZIR - Composição/Desenho digital - 60m
  • PRODUZIR - Papers - 15m
Mais umas 3h30, o que perfaz um total diário de cerca de 12h00. Mas aqui não incluímos ainda nada do que é o chamado "trabalho real" diário e que passa por dar aulas, preparar materiais para as aulas, atender alunos, orientar mestrandos, realizar tarefas administrativas, preparar e dar palestras, preparar e apresentar comunicações, preparar projectos, lançar novas ideias. O que por si só deveria perfazer 35horas semanais, ou melhor 7 horas diárias. Perfazendo um total de 19h00.

"Some days I'm just overwhelmed by everything on my to-do list" Chris Hardwick

Mas ainda temos a família, a mulher que quer ser ouvida, os filhos que vão e vêem do infantário, que querem interagir, brincar, falar, mudar fraldas e contar histórias. Para acompanhar temos ainda as compras de casa, os tempos para almoçar e jantar, a manutenção da habitação e dos transportes, as contas da casa, as interacções com o banco, os seguros, e as empresas que prestam serviços. Para isto, nada menos do que 5 horas diárias, e ficamos com uma soma de 24h00.

Até parece que afinal apesar de parecer um pouco cansativo e até talvez esgotante é bem possível. Só nos esquecemos foi do tempo para dormir. Pois, é que no meio de tudo isto ainda temos de arranjar tempo para dormir. Será então isto possível.

sexta-feira, fevereiro 13, 2009

segunda-feira, fevereiro 09, 2009

Uminho no topo

UMinho fica no lugar 300 da maior listagem de rankings alguma vez realizada a nível mundial com 16,000 instituições de ensino superior. O estudo foi realizado pela Webometrics. Antes da UM só a UP que ficou em 271.

O TOP5 do ranking é constituído pelos suspeitos do costume:

1. Massachusetts Institute of Technology
2. Stanford University
3. Harvard University
4. University of California Berkeley
5. Cornell University

E o ranking de instituições portuguesas presentes no TOP500 é o que se pode ver aqui abaixo ou na listagem completa.

271. Universidade do Porto
300. Universidade do Minho
374. Universidade Técnica de Lisboa
378. Universidade de Coimbra
479. Universidade de Lisboa

[a partir de CiênciaHoje]

arte interactiva na PS3

A arte interactiva parece querer tomar conta dos novos universos digitais criados pelas consolas de última geração. Linger in Shadows parece ser o mote de partida para novas experiências lúdicas ainda, mas cada vez mais estéticas.
Linger in Shadows is not a game, but rather an experiment into the realm of interactive digital art. Created by a collective of talented artists based in Poland known as Plastic, Linger in Shadows delivers cutting-edge graphics technology and is the first demoscene project to ever hit a home console. Bringing this underground digital art culture exclusively to the PlayStation®Network, it delivers a truly unique journey that will challenge and entertain you, and change the way you think about games and art forever.



Fica aqui também um pequeno tutorial de Maya do colectivo Plastic sobre a realização do videojogo.

domingo, fevereiro 01, 2009

história audiovisual

Numa passagem pelo Internet Archive entretive-me a ver as novidades de Moving Images e fiquei estupefacto com a quantidade de obras primas que já por ali se podem ver na integralidade e de graça por pertencerem ao Domínio Público. Claro que nem tudo são rosas, as cópias que aqui vemos foram feitas a partir de películas antigas mal conservadas e por processos de conversão vídeo algo duvidosos. Nos últimos anos e devido ao impulso dado pelo aparecimento dos formatos Laser Disc e DVD todos estes filmes foram restaurados para poderem ser vistos e revistos com a qualidade original. O problema é que as obras restauradas não pertencem ao dominio público, podendo apenas ser disponibilizadas em regime aberto cópias das versões não-restauradas. Pode parecer de somenos importância, mas ver Metropolis na sua cópia restaurada é uma experiência completamente nova que assume todo um deslumbramento estético impossível nas versões envelhecidas.

No meio dessas obras encontrei um documento raro, Nazi Concentration Camps (1945), por mim nunca visto, sobre os campos de concentração Nazis. São 59 minutos construídos a partir de colagens de vários pequenos filmes da altura em que os Aliados entraram nos vários campos de concentração Nazis. Opto por o expor aqui porque não sendo um documento de ficção é um documento audiovisual de uma força extraordinária. Graficamente violento, violento não no seu sentido visual convencionado do sangue e afins mas antes no poder conotacional despoletado pelo facto de se tratar de imagem real. Algo a ver com reservas pelos mais sensíveis, contudo obrigatório. Não foi assim há tanto tempo e se nos lembrarmos que tudo isto surge com uma grande depressão económica... E já agora e para desanuviar o peso das imagens do Holocausto vejam a animação, Make Mine Freedom (1948), de John Sutherland sobre as vantagens do Capitalismo sobre o Comunismo



E para contrabalançar fica aqui a visão oposta "The Communist Manifesto illustrated by Cartoons".



Como alguém diz num comment no YouTube: "If the history of the past two centuries has taught us anything, it is that neither socialism nor capitalism work if taken to extremes."

Não tendo tido tempo para pesquisar tudo, deixo aqui uma lista de apenas algumas obras obrigatórias da história do cinema disponíveis no Internet Archive entre muitas outras.

Le voyage dans la lune de Georges Melies (1902)
The Birth of a Nation de D.W. Griffith (1915)
Das Kabinett des Doktor Caligari de Robert Wiene (1919)
The Kid de Charles Chaplin (1921)
Nosferatu de Fritz Lang (1922)
Haxan de Benjamin Christensen (1922)
Metropolis de Fritz Lang (1927)
M de Fritz Lang (1931)
The Man Who Knew Too Much de Alfred Hitchcock (1934)
The 39 Steps de Alfred Hitchcock (1935)
Triumph of the Will de Leni Riefenstahl (1935)
The Gold Rush de Charles Chaplin (1942)
Shadow of a Doubt de Alfred Hitchcock (1943)
The Stranger de Orson Welles (1946)
The Little Shop Of Horrors de Roger Corman (1960)