sábado, fevereiro 27, 2016

Ivan Deníssovitch e o monumento de Buzludha

Impressionante como um relato de uma realidade dos anos 1950, pode parecer um ou dois séculos mais antigo, quando aquilo que se tem para descrever está despojado de quase todos os elementos de modernidade que a industrialização nos foi trazendo ao longo do século XX. Aleksandr Solzhenitsyn estava ele próprio encarcerado num GULAG (Administração Geral dos Campos de Trabalho Correção e Colónias) quando começou a escrever este livro, no qual dá conta da vida aí passada. Não sendo documental mas ficcional, muito do que aqui temos é real e isso torna todo o relato muito mais poderoso.


“Um dia na vida de Ivan Deníssovitch” foi um dos primeiros livros a pôr a nu os efeitos do governo totalitário de Estaline, e por isso mesmo fortemente apadrinhado por Nikita Khrushchev, o primeiro-ministro que sucedeu a Staline e teve a difícil missão de destalinizar a Rússia. Mas nem por isso é um panfleto de propaganda, é o relato de uma realidade muito dura visto pelos olhos de quem se resignou ao que tem, e que com isso aprende a viver, um dia depois do outro, mas que por isso mesmo se vai introduzindo em nós e ajudando-nos compreender o efeito devastador das políticas de Estaline sobre o seu povo.

Solzhenitsyn poderia facilmente ter construído um relato de grande dramatismo, com uma escrita lacrimejante, mas não o faz, a sua escrita é seca e muito direta, desenhando um mundo visto a partir dos olhos de um inocente, preso por 10 anos por práticas de espionagem que nunca existiram, num modo de grande contraste, duro mas natural, implacável mas aceitável. No conforto das nossas salas de leitura, raramente sentimos a dureza que viveram milhões de presos e deportados por Estaline, o discurso de tom impessoal, parece por vezes dar-nos a ver através de uma janela de comboio aquecido, um mundo gelado e hostil, mas por isso mesmo vamos aceitando mais facilmente a interiorização daquela realidade, e quando nos damos conta estamos já completamente imersos na mesma.

Monumento abandonado, "Casa do Partido Comunista" no Monte Buzludha, Bulgária

Foi nesse momento que comecei a pensar nas grandes construções do comunismo de leste, hoje abandonadas, como o monumento Buzludzha no centro da Bulgária. Um edifício estranho que levou 7 anos a construir, para o qual contribuíram mais de 6 mil trabalhadores. Apresentado em 1981 com o desígnio de imprimir ideias nos espíritos do povo por muito séculos, abandonado em 1989 com a queda do muro de Berlim.

Impressiona o tamanho, a estética, mas impressiona ainda mais o local onde foi implantado, no exacto centro da Bulgária, no meio do nada, longe de tudo. Talvez um dia possamos ler algo sobre a história da sua construção, porque desde que vi as primeiras imagens me interrogo sobre quem esteve envolvido em tal obra, e como, e agora depois de ler o relato Solzhenitsyn sobre as construções que os prisioneiros dos Gulags faziam, mais ainda me interrogo. Hoje por cima das grandes portas de entrada para este monumento abandonado, está escrito “Forget your Past”. Seria mais fácil, ou mais suave, mas é algo que não podemos permitir.




Enviar um comentário