sexta-feira, janeiro 02, 2015

Videojogos 2014: "Framed" e "This War of Mine"

Este ano não fiz lista dos melhores videojogos, não consegui jogar vários jogos que pretendia, não que tivesse faltado jogo, joguei mais de 30 títulos, mas de 2014 ainda ficaram algumas obras que só poderei experienciar nos próximos tempos, por isso considerei que não fazia muito sentido fazer uma listagem, contudo e a pedido do IGN, escolhi os dois videojogos que joguei e mais me entusiasmaram para o artigo Melhores jogos de 2014 - Escolhas da redação.


Os dois videojogos que enviei ao IGN foram: "Framed" (2014) do estúdio australiano Loveschack e "This War of Mine" (2014) do estúdio polaco 11bitstudios. Ainda não tive tempo de analisar em detalhe nenhum destes para o blog, por isso aproveito para deixar agora algumas linhas sobre os mesmos.

"Framed" (2014) Loveschack, Austrália 

"Framed" (2014) inova completamente na forma, dando uma nova vida ao conceito de banda desenhada digital, introduzindo o jogo como acção necessária à continuidade da narrativa, e entrosando os conceitos como ainda não se tinha conseguido até aqui. Diga-se que é um modelo que serve bem a narrativa detectivesca, e que poderá não funcionar para outros modelos, ainda assim julgo que apresenta muitas ideias interessantes, capazes de prender a nossa atenção, e de ligar a narrativa e jogo de um modo bastante completo. As pranchas seguem uma lógica narrativa, tanto na linearidade das acções ilustradas como nos ritmos de interacção, sendo que temos pranchas exigentes em termos de resolução de puzzle que nos obrigam à contemplação e racionalização, e logo de seguida somos levados através  de pranchas simplificadas que requerem de nós acção rápida que permite avançar a narrativa e assim aprofundar a nossa ligação com a história.

"This War of Mine" (2014) 11bitstudios, Polónia

"This War of Mine" (2014) inova no tratamento da mensagem, sendo um jogo sobre guerra, não se concentra nas acções que os videojogos se habituaram a enaltecer, como os tiros e as explosões, mas antes sobre as pessoas que habitam as zonas em guerra. Tanto Hollywood como a indústria AAA de videojogos construíram uma imagem estereotipada da guerra, na qual têm apenas lugar os soldados, os militares, o seu poder de fogo e as suas vitórias, esquecendo que as guerras acontecem algures, e que nesses lugares existiam pessoas, que tinham vidas, casas, escolas, supermercados. Pessoas para quem a vida sofre um revés de 360º, em que tudo aquilo que tinha valor, porque representava um preenchimento das necessidades pessoais, é relegado e enterrado, para apenas passarem a dedicar-se às necessidades fundamentais de sobrevivência. É um jogo que nos questiona apesar de trabalhar sob um modelo de estratégia que obriga a um jogador mais racional, abrindo espaço à reflexão para nos questionar sobre tudo o que estamos ali a fazer, para quê, obrigando-nos a dar conta da impotência do ser-humano enquanto indivíduo quando apanhado no meio da tragédia, que é a essência de qualquer guerra.
Enviar um comentário