segunda-feira, setembro 08, 2014

O que não se diz a propósito da Arte

Muitos dos colegas que se dedicam ao estudo e criação de arte não irão concordar com aquilo que é defendido neste vídeo por Robert Florczak, contudo eu não poderia estar mais de acordo. O impressionismo como nos diz, mas mais ainda o modernismo, viraram o mundo da arte do avesso, e desde então esta nunca mais se conseguiu reencontrar. Aproveito assim para discutir aqui algumas das ideias que este vídeo fez ressurgir.



Nos últimos anos, para evitar entrar neste tipo de debates sobre o valor da arte contemporânea, tenho optado por defender a diferença entre as abordagens clássicas e as atuais, como uma diferença metodológica, oferecendo-lho como rótulos diferenciadores - Design e Arte. Torna-se mais simples explicar, nomeadamente quando se pretende desenvolver algum tipo de artefacto, e evitam-se discussões infinitas sobre o valor da arte.

Isto porque o design - gráfico, industrial ou outro - possui uma abordagem criativa e de desenvolvimento muito concreta, que em largos traços se aproxima das abordagens usadas na engenharia, e que não é mais do que fruto do método experimental científico. Ora a arte clássica nada mais era que isso, o uso de standards qualitativos, a passagem de métodos dos mestres para os aprendizes, etc., procurando aperfeiçoar-se o que vinha de trás, elevando e transcendendo o já existente. Claro que assim como podemos encontrar diferenças entre o design e a engenharia, também as podíamos encontrar face à arte. A arte por não ter funcionalidade e utilidade fechadas, por não ter de comunicar de modo unívoco a sua mensagem, possuía muito maior liberdade na sua génese criativa. (Para uma abordagem à criação artística baseada no método científico aconselho a leitura do trabalho de Pentti Routio.)

Mas enquanto a Engenharia e o Design se aperfeiçoaram e ganharam maior consciência dos seus próprios métodos para poderem evoluir qualitativamente, a Arte encetou o caminho contrário. Optou por desfazer por completo os métodos que vinham de trás, elevando a ideia de não ser necessário cumprir com os aspectos básicos da comunicação com o outro, ao aspecto central da arte. A questão do diferente, do subversivo, assumia assim poder ilimitado, concedendo ao artista a possibilidade de apresentar trabalhos que não chegavam sequer a sair da redoma do subjectivo abstracto, ou conjunto de ideias inacabadas. A arte deixava para trás a base social humana, nomeadamente a expressão e comunicação, em favor do mais básico individualismo.




Com isto vimos surgir nas galerias cada vez mais, e mais, obras com graves lacunas expressivas, incapazes de comunicar para além do círculo restrito de amizade do artista, para além do próprio artista. A arte contemporânea defende que a obra está contida no “statement” do artista, o que importa está na abordagem conceptual subversiva. Esquece assim por completo a obra em si, as suas qualidades técnicas, expressivas e experienciais.

Assim, quando hoje se defende a imposição do "feio" pós-moderno sobre o "belo" clássico, como Florczak refere a meio do filme, eu vejo outra coisa, vejo antes a imposição do "não saber fazer", da "ausência de técnica", à exigência, esforço e disciplina do "saber fazer". Ou seja, muitas obras contemporâneas não são feias porque se procura que o sejam, mas antes porque quem as desenvolve se dedica apenas a pensar as mesmas, sendo incapaz de implementar o que verdadeiramente pretende, quando pretende. E como isso se tornou a norma, o artista contemporâneo tornou-se alguém que sabe cada vez menos fazer, sendo cada vez menos um Artista e mais um Filósofo.

"Why is Modern Art so Bad?" (2014) de Robert Florczak

"For two millennia, great artists set the standard for beauty. Now those standards are gone. Modern Art is a competition between the ugly and the twisted; the most shocking wins. What happened? How did the beautiful come to be reviled and bad taste come to be celebrated?"


Mais sobre o assunto 
Do humanismo ao mercantilismo. Arte, desporto e universidades, in Virtual Illusion, 24.06.2013
A Ciência por detrás da Arte, in Virtual Illusion, 11.10.2013

Enviar um comentário