terça-feira, maio 28, 2013

Educação e Criatividade

Battle Hymn of the Tiger Mother (2011) não é nenhuma obra de literatura brilhante, nem traz nenhuma história que me tenha surpreendido face ao que já conhecia antes, no entanto provocou em mim muita discussão interna. A razão prende-se essencialmente pelo facto de ter dois filhos pequenos e o livro falar sobre aquilo que mais me preocupa nesta fase, o modelo de educação a seguir com crianças pequenas. Mas não se ficou por aqui, porque me levou a reflectir sobre muito daquilo que faço no meu trabalho, os modelos de ensino mas também sobre a minha investigação levando-me a questionar as diferenças entre a criatividade e a produtividade, assim como as diferenças entre a educação e o treino. Nesse sentido farei uma revisão rápida do livro, e depois discutirei estas duas dicotomias.

Girl With Violin de June Schneider

No Goodreads dei 4 em 5 estrelas ao livro não pela forma literária, mas pela história contada, e pela coragem de Amy Chua em vir a público com ela. Quando o livro saiu Chua fez um texto em forma de extracto no Wall Street Journal, Why Chinese Mothers Are Superior, o artigo foi responsável por tornar o livro num bestseller quase instantâneo, o texto conta com quase 9 mil comentários, divididos entre defensores e atacantes ferozes (ver aqui abaixo a lista do que as filhas de Chua não podem fazer e que inicia o artigo no WSJ). A controvérsia gerada fez com que Chua tivesse passado o ano de 2011 a dar entrevistas sobre o livro, fora as dezenas de talkshows em que o conteúdo do artigo e livro foram discutidos nos EUA. A razão para toda esta polémica começa pelo próprio nome dado ao artigo do WSJ com a agravante de ser escrito por uma professora de Direito, da respeitada Universidade de Yale, EUA.
"Here are some things my daughters, Sophia and Louisa, were never allowed to do:
• attend a sleepover
• have a playdate
• be in a school play
• complain about not being in a school play
• watch TV or play computer games
• choose their own extracurricular activities
• get any grade less than an A
• not be the No. 1 student in every subject except gym and drama
• play any instrument other than the piano or violin
• not play the piano or violin." 

[Amy Chua, 2011]
Battle Hymn of the Tiger Mother (2011) funciona como uma espécie de diário de Amy Chua e dos anos passados a educar as duas filhas, Sofia e Lulu, já que muito da sua vida profissional e do marido fica de fora. Em termos de storytelling [***SPOILER] posso dizer que Chua executou tecnicamente na perfeição, porque desenvolveu um arco perfeito, não apenas seguindo as miúdas cronologicamente, mas iniciando o livro como uma acérrima defensora da chamada cultura educativa chinesa, para se ir vergando ao longo do livro, até quebrar com a explosão de revolta da filha mais nova. Nesse sentido é uma história bem contada, muito fluída, com um bom crescendo e personagens com grande empatia [SPOILER***]. É difícil parar de ler, mais ainda para quem tem filhos nestas idades.


Educação Chinesa vs. Educação Ocidental
Esta é uma das questões que mais polémica gerou nos EUA, e que merece alguma reflexão, até porque Chua sendo uma académica sabe que as coisas não são preto ou branco. O título do artigo WSJ é um título feito para criar polémica, e ajudar às vendas, assim como o início do livro assume um carácter mais carregado de modo a enfatizar mais a mudança de atitude ao longo do livro. Apesar disso Chua diz várias vezes no livro que não está a contrapor a cultura asiática ou chinesa contra a ocidental ou americana, ela define melhor o que quer realmente dizer, ao referir-se claramente à cultura da maior parte dos emigrantes chineses. Existe assim um duplo factor, ser asiático e ser emigrante, esta segunda característica é também cara ao povo português, e ao seu reconhecido esforço e trabalho além fronteiras.
"In one study of 50 Western American mothers and 48 Chinese immigrant mothers, almost 70% of the Western mothers said either that "stressing academic success is not good for children" or that "parents need to foster the idea that learning is fun." By contrast, roughly 0% of the Chinese mothers felt the same way. Instead, the vast majority of the Chinese mothers said that they believe their children can be "the best" students, that "academic achievement reflects successful parenting," and that if children did not excel at school then there was "a problem" and parents "were not doing their job." Other studies indicate that compared to Western parents, Chinese parents spend approximately 10 times as long every day drilling academic activities with their children. By contrast, Western kids are more likely to participate in sports teams." [Amy Chua, 2011]
O maior problema deste duplo factor são os níveis elevados de exigência e de expectativas que se criam, fruto de uma cultura habituada ao respeito e esforço do colectivo, agravado pela vivência dura de se estar deslocado do seu lugar. A exigência decorre do modo asiático baseado no trabalho duro, e que fica bem evidente no provérbio chinês "Ninguém que consiga levantar-se 360 dias no ano antes da madrugada, é incapaz de fazer a sua família rica". Por outro lado as expectativas fazem parte do ideal de pessoas que conseguem ter força suficiente para deixar o seu país e partir em busca de algo melhor. Para o fazer é preciso não só ambição como a expectativa de conseguir ser mais do que seria ficando onde está, por isso é natural que isto se reflicta depois no modo como se procurará educar os filhos.


Yuja Wang toca de modo frenético Flight of the Bumble-Bee

Para quem quiser perceber porque existem tantos prodígios asiáticos na música clássica - Yo-Yo Ma, Conrad Tao, Lang Lang, Yuja Wang, Rachel Lee, Ji-Hae Park - este livro levanta apenas a ponta do véu. Uma cultura de esforço continuado, progredindo através de uma contínua selecção dos melhores professores, e das melhores escolas. No caso das filhas de Amy Chua, além das horas de treino com os professores, existiam ainda mínimos diários em casa de duas horas, levando a totalizar 5 horas de prática diária nos dias de aulas, todos os dias do ano, mesmo quando de férias. Chua refere que de cada vez que saíam para algum lado, só escolhiam hotéis que tivessem piano, de modo a que a filha pudesse continuar a treinar as suas duas horas diárias.

Podemos criticar, e dizer que isto é apenas puro egoísmo da mãe que quer um filho perfeito, mas quem é mãe e pai, sabe bem o que custa educar uma criança. Sabe bem o que custa criar hábitos e rotinas. E que para fazer o que esta mãe faz é preciso dedicar-se de corpo e alma. Ao ler o livro só pensava, como consegue esta mãe dar aulas em Yale, orientar alunos, escrever papers, escrever livros, tomar conta de uma casa, ter dois cães, e ainda dedicar tantas horas diárias à educação das filhas, matérias lectivas e ainda o piano e o violino de cada filha, é de tirar o fôlego. A realidade é que nós os pais do ocidente simplesmente preferimos o caminho mais fácil, se a criança não quer desistimos, Chua diz isso várias vezes no livro, e isso vai sendo dito aqui e ali em livros mais recentes sobre a educação, porque se vão descobrindo problemas de outra ordem (O pequeno ditador, 2007; A Criança e a Obediência, 2008; Um bom pai diz Não, 2009). Os nossos filhos não sofrem o stress da competitividade, mas sofrem o seu contrário pela ausência de objectivos e expectativas, chegam aos momentos cruciais da vida, aquele em que têm de tomar decisões, e não fazem ideia do que querem ou não querem.

Treino vs. Educação
"Lulu was about 7, still playing two instruments, and working on a piano piece called "The Little White Donkey" (..) incredibly difficult for young players because the two hands have to keep schizophrenically different rhythms. 
Lulu couldn't do it. We worked on it nonstop for a week, drilling each of her hands separately, over and over. But whenever we tried putting the hands together, one always morphed into the other, and everything fell apart. Finally, the day before her lesson, Lulu announced in exasperation that she was giving up and stomped off. 
"Get back to the piano now," I ordered.
"You can't make me."
"Oh yes, I can."
 
Back at the piano, Lulu made me pay. She punched, thrashed and kicked. She grabbed the music score and tore it to shreds. I taped the score back together and encased it in a plastic shield so that it could never be destroyed again. Then I hauled Lulu's dollhouse to the car and told her I'd donate it to the Salvation Army piece by piece if she didn't have "The Little White Donkey" perfect by the next day. When Lulu said, "I thought you were going to the Salvation Army, why are you still here?" I threatened her with no lunch, no dinner, no Christmas or Hanukkah presents, no birthday parties for two, three, four years. When she still kept playing it wrong, I told her she was purposely working herself into a frenzy because she was secretly afraid she couldn't do it. I told her to stop being lazy, cowardly, self-indulgent and pathetic...
I used every weapon and tactic I could think of. We worked right through dinner into the night, and I wouldn't let Lulu get up, not for water, not even to go to the bathroom. The house became a war zone, and I lost my voice yelling, but still there seemed to be only negative progress, and even I began to have doubts.
 
Then, out of the blue, Lulu did it. Her hands suddenly came together—her right and left hands each doing their own imperturbable thing—just like that.
Lulu realized it the same time I did. I held my breath. She tried it tentatively again. Then she played it more confidently and faster, and still the rhythm held. A moment later, she was beaming.

"Mommy, look—it's easy!" After that, she wanted to play the piece over and over and wouldn't leave the piano. That night, she came to sleep in my bed, and we snuggled and hugged, cracking each other up."
[Amy Chua, 2011]
O que podemos ver neste excerto do livro é o resultado do treino, da prática, do trabalho árduo, longo e continuado. O problema deste excerto é o facto de estarmos a falar de uma criança de 7 anos, tudo o resto faz parte de um processo inevitável. Sem este é impossível ganhar mestria sobre uma atividade, seja esta qual for - na arte, no desporto, na ciência, etc. Um dos resultados mais importantes deste processo é o que Amy Chua refere várias vezes como sendo o objectivo último, "nada é divertido, até que sejas bom nisso". E isto é a base do que move o artista, do que move o desportista, do que move o criativo. Ser capaz de desempenhar com mestria uma técnica despoleta um sentido de realização que se traduz em gratificação psicológica, este é o elemento mais importante no desempenho de qualquer acção suportada por motivação intrínseca.

Claro que o caminho para se chegar à mestria pode ser alargado no tempo, minorando o esforço exacerbado. De qualquer modo o tempo a investir em qualquer prática não minora. É bem conhecida a regra das "10 000 horas de prática deliberada ou intencional" para se dominar um campo, fruto da investigação de Andrew Ericsson (1993, 2006). Isto não é propriamente nada de novo, Aristóteles já se referia a isto a propósito da excelência.


Apesar de tudo isto estar correcto e ter sido compreendido por nós há milhares de anos, falta aqui ainda um pequeno grande detalhe, o de que é preciso reconhecer que os seres humanos são todos diferentes. Não é por investirmos 10 000 horas que nos vamos tornar em génios executantes de uma qualquer prática ou atividade. Ou seja, não serei um grande violinista, ou um grande futebolista, apenas por ter investido este tempo. Os genes que cada um de nós carrega fazem muita diferença. Amy Chua não reconhece isso, e tal como outras pessoas continua ainda hoje a recusar a ideia que não nascemos tal qual "tábuas rasas" (Pinker, 2002). Veja-se a discussão entre ela e o marido a propósito do treino intensivo acima descrito,
"Jed took me aside. He told me to stop insulting Lulu—which I wasn't even doing, I was just motivating her—and that he didn't think threatening Lulu was helpful. Also, he said, maybe Lulu really just couldn't do the technique—perhaps she didn't have the coordination yet—had I considered that possibility?"You just don't believe in her," I accused."That's ridiculous," Jed said scornfully. "Of course I do.""Sophia could play the piece when she was this age.""But Lulu and Sophia are different people," Jed pointed out."Oh no, not this," I said, rolling my eyes. "Everyone is special in their special own way," I mimicked sarcastically. "Even losers are special in their own special way. Well don't worry, you don't have to lift a finger. I'm willing to put in as long as it takes, and I'm happy to be the one hated. And you can be the one they adore because you make them pancakes and take them to Yankees games." 
[Amy Chua, 2011]
Apesar de Amy Chua não reconhecer a diferença, isto acontece no início do livro, e ao longo do mesmo ela acabará por entender isso mesmo. Aliás essa é a grande lição que a autora do livro aprende, que somos todos diferentes, tão diferentes, que nem a prática mais severa é capaz de nos tornar em autómatos todos iguais. Por isso aprendemos que a Educação é muito mais do que o Treino. Aprendemos que o behaviorismo é importante, sem ele não pode existir verdadeira excelência na prática, mas é apenas uma parte da formação de um ser humano.

Se a vida se pudesse resumir a praticar 10 000 horas teríamos a esta altura já conseguido transformar a educação de todos os seres deste planeta. Dizer que as pessoas não são educadas porque são preguiçosas, é não compreender o quadro geral daquilo de que somos feitos. Somos seres complexos e a própria escola sofre deste problema, ou melhor algumas visões da escola. A ideia de ter exames escolares não é mais do que isto, uma visão fechada sobre o valor da educação, limitada ao mero treino. Leia-se o texto SAT’s right answers are all wrong (2013) de Monica Cohen, deixo aqui a ideia principal,
"Affluent students today learn to read for nuance in expensive private schools, but then are trained to read for simplicity by often expensive test-prep tutors. That they are coached to strategize the right test answer rather than respond meaningfully to the material doesn’t really matter, because when the testing is over, they will return to the classrooms where it is the play of ideas and the depth of thought that matter most, and where they will learn to interpret tricky texts and complex situations. The education these lucky students enjoy, whether in good private schools or good public ones, is ultimately not about strategizing the right answer on a test. It is an education of the mind and the heart. Its goals encompass not only the know-how required to make the world better materially or our bodies stronger medically, but the knowledge necessary for navigating ethical choice, failure, loss, love, the integrity of the soul. It is the education we use when we choose a partner or vote. It is the education we turn to when we find ourselves in a dark forest, for the clear path was lost. In other words, this is an education that is supposed to serve students well after college." [Monica Cohen, 2013]
Uma coisa é treinar e praticar, outra muito diferente é crescer interiormente como ser humano, algo que não se constrói apenas despejando muita prática e muita informação sobre um ser humano. A educação não pode ser apenas prática repetitiva, embora também tenha de o ser, correndo o risco de apenas criarmos autómatos. Nem todos poderão ser o Melhor Violinista do mundo, não só porque poderão não ter genes que lhes permitam a melhor acção motora, ou genes que lhe garantam a motivação infindável para continuar a praticar. Mas mais ainda, porque num planeta de milhões, apenas 1 estará na sua geração em primeiro no ranking dos melhores, todos os restantes estarão abaixo dessa posição. Não é assim matematicamente possível que todos possam estar em primeiro lugar. Além disso a vida que vivemos é feita de tantas variáveis imprevisíveis que contribuem para o acaso (Kahneman, 2011) dos acontecimentos que experimentamos diariamente. Deste modo não pode de forma algum ser recomendável que se exija isso de uma criança. Porque ao fazê-lo estaremos a criar expectativas praticamente impossíveis, que inevitavelmente conduzirão à frustração, ao desespero, e à depressão. Veja-se a TED Talk de Ji-Hae Park (2013) para saber mais sobre o sentir da depressão, e que noutros casos acabam de forma trágica.

Criatividade vs. Productividade 
Sem treino e prática não é possível melhorar tecnicamente, nao é possível ser-se verdadeiramente bom, menos ainda brilhante, em nada. Qualquer actividade só pode ser dominada com muita repetição, insistência. Uma educação completa não pode ignorar o treino, o behaviorismo, mas também não pode tornar este no seu único fundamento. A educação do ser humano deve seguir abordagens ricas e diversificadas, que envolvam também o construcionismo, o construtivismo e acima de tudo o cognitivismo. O objectivo último da educação deve ser o de desenvolver estruturas de lógica de pensamento autónomas, porque só assim a pessoa poderá ser capaz de analisar as acções que realiza de modo repetitivo no treino e na prática. Só assim poderá ir ao seu âmago para assim poder não apenas continuar a repetir, mas fazer diferente, subverter e inovar. Não é por acaso que temos magníficos executantes asiáticos, mas temos muito poucos compositores asiáticos. A autora admite-o no livro, mas não pára para perceber porquê, o que me deixou perplexo. O problema é que o treino, está apenas preocupado com a actividade em si, despreza o executante, para o behaviorismo este não é parte da equação, este deve apenas fazer tudo para corresponder ao estímulo. Desse modo não se cria espaço para o individual, para o personalizado, para as diferenças que cada ser humano comporta, no fundo a raíz elementar da criatividade humana. [Atualização 6.2.216: Encontrei um texto que toca exatamente sobre este ponto de Adam Grant, How to Raise a Creative Child. Step One: Back Off].

Les Demoiselles d'Avignon (1907). Picasso passou meses a trabalhar nesta pintura, partindo de ideias anteriores de outros grandes pintores como Cézanne ou Gauguin, para criar algo verdadeiramente diferente de tudo o que se tinha visto até ali. No vídeo acima podemos ver a exuberância técnica da repetição de Yuja Wang, aqui podemos ver a exuberância técnica da inovação por Picasso.

Paradoxalmente para se poder obter o melhor da criatividade, ou seja o melhor da individualidade de cada um, precisamos de socializar, diria mesmo maximizar a socialização. Não é por acaso que a criatividade germina mais facilmente em meio urbano, ou que a Pixar tenha desenhado todo o seu estúdio para que este provocasse o máximo de encontros fortuitos entre os seus empregados (Lehrer, 2012). Daí que faça muito mais sentido que as pessoas frequentem a escola num mesmo espaço, do que estejam sentados em sua casa e à distância. Ou seja, o treino e a prática excessiva conduzem a uma exclusão do social, algo que se pode ver bem nas regras acima ditadas por Amy Chua às suas filhas, logo na abertura do livro, que depois ao longo do livro a autora acaba por admitir mais como objectivos do que como regras estritas.

A recente decisão da Yahoo de banir o trabalho a partir de casa foi com este mesmo objectivo, o de aumentar a criatividade da sua empresa, e não de aumentar a produtividade da empresa. Até porque os estudos mostram que as pessoas produzem mais quando sozinhas, porque praticam mais, sem distracções e ao seu ritmo,
"Stanford economist Nicholas Bloom took employees at a huge Chinese travel agency and randomly assigned some to work from home while others worked in the office. Sure enough, in terms of sheer amount of work, the stay-at-homes did 13 percent more overall. Bloom’s previous studies found that firms with policies that allowed remote work were more productive in general than the companies that didn’t have such policies in place." [Clive Thompson, 2013]
Da minha experiência sinto exactamente isto. Quando fico a trabalhar em casa produzo bastante mais, porque não existem as pequenas conversas de corredor ou café que por vezes se prolongam e nos atrasam, ou que por vezes nos retiram do assunto em que estamos envolvidos. Mas sinto que fazer isto durante vários dias seguidos começa a confinar-me o pensamento, a fechar-me em ciclos de ideias. O Facebook ajuda, mas é muito diferente de estar presencialmente com as pessoas. A serendipidade que surge nestes momentos é algo que a comunicação assíncrona não consegue estimular. Por outro lado este modelo que se baseia na total imprevisibilidade das variáveis sociais é muito dado ao erro, e no final é o erro que faz de nós seres criativos. É também o erro que torna quase impossível simular Inteligência Artificial parecida com a nossa. O DeepBlue venceu Kasparov porque o que lhe era pedido não requeria intuição nem criatividade, antes apenas lógica bruta. Nós não queremos uma sociedade de seres lógicos, de Spocks, queremos uma sociedade autónoma, diversa e rica emocionalmente.

Amy Chua sintetiza as duas culturas educativas da seguinte forma,
"Western parents try to respect their children's individuality, encouraging them to pursue their true passions, supporting their choices, and providing positive reinforcement and a nurturing environment. By contrast, the Chinese believe that the best way to protect their children is by preparing them for the future, letting them see what they're capable of, and arming them with skills, work habits and inner confidence that no one can ever take away." [Amy Chua, 2011]
No fundo sintetiza aqui a diferença entre criar seres criativos e criar seres produtivos. O que nos leva à questão deixada por Thompson a propósito da decisão da Yahoo,
"Productivity and creativity, in other words, can be polar opposites. So how to find a balance?" [Clive Thompson, 2013]
O que todos nós temos de perceber é que precisamos de ser capazes de aplicar o melhor dos dois mundos. Uma pessoa muita criativa incapaz de produzir, não pode ser criativa, porque nada cria. Uma pessoa muito produtiva, sem criatividade, limitar-se-á a fazer o que lhe mandam, contribuindo apenas para a estagnação da comunidade em que se insere. Por isso defendo o moto - criar, criar, criar sempre - mas feito de um modo socialmente envolvido, em busca do melhor de si, daquilo em que se pode ser bom, e não apenas na busca de uma auto-formatação por meio da obstinação. O reforço positivo e o ambiente de carinho são essenciais, mas, são-no tanto como os hábitos de trabalho e a confiança interior construída na base da persistência.


Edição Analisada
Battle Hymn of the Tiger Mother, 2011, Penguin Group
Edição Portuguesa
O Grito de Guerra da Mãe Tigre, 2013, Lua de Papel

Mais sobre o assunto

Talent is Overrated. What really separates world-class performers from everybody else, (2010), análise
Enviar um comentário