quinta-feira, outubro 11, 2012

"She and Her Cat" de Makoto Shinkai

Aqui fica o primeiro filme do realizador de Children Who Chase Lost Voices from Deep Below (2011) de que aqui falei há dias. Fiquei fã de Makoto Shinkai e por isso fui à procura de mais trabalho seu e encontrei a sua primeira curta de animação online, She and Her Cat (1999).


Em termos técnicos a animação não nos surpreende porque se socorre demasiado da câmara para produzir movimento, mas percebe-se que assim seja já que a curta foi inteiramente produzida apenas pelo próprio Shinkai. Aliás a própria ilustração em várias cenas do filme foi produzida directamente em cima de imagens reais captadas em vídeo para acelerar a produção (trabalho realizado no 3ds Max e After Effects). Contudo esta questão acaba por relevar ainda mais o trabalho de realização, que tem de funcionar a um nível de excelência para poder combinar todos os elementos no sentido de nos oferecer a história embebida numa experiência audiovisual rica. Interessante que o envolvimento com o compositor Tenmon tenha começado logo neste primeiro filme, e perdure até hoje, demonstra a sintonia que existe entre ambos os criadores.


A ideia de apresentar a narrativa a partir da perspectiva do gato confere ao filme um ambiente imaginário envolvente, no sentido em que nos obriga a empatizar com o mesmo. O gato aqui somos nós, estranhos naquela casa, querendo conhecer mais sobre aquela dona, sentindo a força da atmosfera de compaixão desenhada pelo filme a invadir-nos. E é nisto que a realização brilha também, porque num curto espaço de tempo passamos de desconhecidos a conhecidos, conhecemos a casa, conhecemos a pessoa, e sentimos por ela.


A legendagem não sei se é totalmente fiel ao trabalho, encontrei outras versões online do filme mas com dobragem de som. Apesar de preferir o original, vi as versões dobradas e fiquei espantado com a riqueza de vocabulário presente nessas dobragens que criam uma atmosfera distinta da legendagem simplista que temos aqui. Mas se opto por manter a versão original, é muito porque nessas dobragens a música foi alterada, e isso é desvirtuar totalmente o trabalho criativo subjacente ao texto audiovisual original.

Enviar um comentário