sábado, setembro 01, 2012

o fim do nada

The Seventh Continent (1989) de Michael Haneke é forte, muito forte, e é estranho, ou nem por isso, como a obra que se me chama a coacção é Every day the Same Dream (2009) da Molleindustria. Apesar de serem media diferentes, a mensagem aproxima-se, claro sem o poder emocional do cinema, mas aqui apenas e só por causa do realismo fotográfico, da ausência de comicidade, e do facto de não ser dado à experimentação nem ao nosso controlo. No filme é assim, e nada podemos mudar para ser diferente.


O film3 toca num ponto fundamental da nossa existência, e por isso é impossível sairmos indiferentes da experiência. Alguns pensarão que é um exagero, mas sendo baseado num caso real, tudo ganha outro contorno. Poderiamos nós chegar àquele estado? Todos queremos acreditar que não, mas… Não existe ali crise que explique, e esse é o grande problema de todo o filme e que Haneke trabalha de forma brilhante, apresentando sem propor causas, nem explicações.


Em termos estéticos, e como nos diz na entrevista, uma das coisas mais fantásticas no filme é o ritmo a que decorre, como uma composição musical, somos levados pelo ritmo audiovisual, e sentimo-nos a progredir na história, até que percebemos para onde estamos a ir, e não queremos acreditar que estamos a ser levados por ali.


Enviar um comentário